Publicidade

Correio Braziliense

Brasil não pode aceitar que forças outras invadam país vizinho, diz embaixador

Para o embaixador Marcos Azambuja, ex-Secretário-Geral do Itamaraty, o Brasil precisa ter serenidade, firmeza e diplomacia ao lidar com a crise do país vizinho


postado em 11/03/2019 13:27 / atualizado em 11/03/2019 17:01

(foto: CEBRI/Divulgação)
(foto: CEBRI/Divulgação)
 

O Brasil não deve permitir que tropas estrangeiras interfiram na Venezuela, especialmente sem a anuência de organismos multilaterais, como o Conselho de Segurança da Organização das Nações Unidas (ONU), afirmou o embaixador Marcos Azambuja, ex-Secretário-Geral do Itamaraty, em evento no Rio.


"Não podemos aceitar que forças outras, de outro continente, invadam um país vizinho. O Brasil cuida da sua vizinhança. O Brasil não pode aceitar uma presença que possa tumultuar por muito tempo. O Iraque não está melhor do que estava. A Líbia não está melhor do que estava", defendeu Azambuja, diplomata de carreira, durante o debate Crise Venezuelana, promovido pelo Centro Brasileiro de Relações Internacionais (Cebri) e a Federação das Indústrias do Estado do Rio de Janeiro (Firjan).

O embaixador acredita que o ciclo do atual governo venezuelano já está no fim, mas a solução para a crise local será uma acomodação de forças internas.

"As forças internas terão que se acomodar. A solução para mim não é visível. Não creio que seja nem Nicolás Maduro, nem Juan Guaidó. As forças armadas terão um papel", defendeu Azambuja.

Para o embaixador, o Brasil precisa ter serenidade, firmeza e diplomacia ao lidar com a crise do país vizinho.

"Guaidó é uma autoridade que deriva mais de fora para dentro do que de dentro para fora. Tem autoridade que lhe foi mais concedida mais por autoridade externa do que interna. Então precisa um novo nome, uma nova figura", argumentou. "O Brasil tem que ser sábio, sólido e firme, resistir a qualquer tentação de intervencionismo", acrescentou.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade