Publicidade

Correio Braziliense

YouTube associa por engano Notre-Dame em chamas ao atentado de 11/9 em NY

Em alguns vídeos aparecia um texto com referência a um verbete da enciclopédia Britannica dedicada aos atentados de 11 de setembro em 2001


postado em 16/04/2019 09:48

(foto: Lionel Bonaventure / AFP )
(foto: Lionel Bonaventure / AFP )

Cingapura - A plataforma de vídeos YouTube divulgou por engano, na noite de segunda-feira (16/4), um boletim informativo evocando os atentados de 11 de setembro de 2001 contra as Torres Gêmeas de Nova York abaixo das imagens do incêndio da catedral de Notre-Dame de Paris, em chamas.

No meio de uma avalanche de vídeos ao vivo do incêndio em Notre-Dame transmitidos através da plataforma, em alguns vídeos aparecia um texto com referência a um verbete da enciclopédia Britannica dedicada aos atentados de 11 de setembro em 2001. Os ataques nos Estados Unidos mataram quase 3 mil pessoas, em sua maioria em Nova York com o desabamento das Torres Gêmeas do World Trade Center.

"Os boletins são gerados por um algoritmo e nossos sistemas podem cometer equívocos às vezes", explicou à AFP um porta-voz do YouTube, empresa do grupo Google. A faixa de informação foi desativada. "Estamos profundamente tristes com o incêndio na catedral Notre-Dame", acrescentou o porta-voz.

Boletins contra fake news


Para lutar contra a desinformação, o YouTube divulga desde o ano passado links que permitem contextualizar uma informação, que aparecem abaixo dos vídeos com possíveis conteúdos duvidosos. Esta nova ferramenta no momento está disponível apenas nos Estados Unidos e Coreia do Sul.

O sistema que utiliza conteúdos de fontes externas, como a Wikipedia, foi adotado após muitas críticas ao YouTube, acusado de não controlar a difusão de conteúdos enganosos. Os boletins recordam fatos históricos verificados para tentar combater a propagação de teorias conspiratórias, utilizando imagens de acontecimentos importantes.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade