Publicidade

Correio Braziliense

Jornais sérvios dizem que incêndio em Notre-Dame foi 'castigo divino'

Jornal considera o acidente uma punição por terem 'cuspido nas vítimas sérvias' da guerra do Kosovo


postado em 16/04/2019 15:17

(foto: Geoffroy VAN DER HASSELT / AFP)
(foto: Geoffroy VAN DER HASSELT / AFP)
 
O incêndio de Notre-Dame de Paris é um "castigo divino", afirmam dois tabloides ao recordar que durante a celebração do centenário do Armistício de 1918 uma bandeira do Kosovo foi hasteada na catedral.

"O castigo divino os atingiu", afirmam os jornais Alo e Informer. Alo considera o acidente uma punição por terem "cuspido nas vítimas sérvias" da guerra do Kosovo. 

Ligadas ao poder, as duas publicações retiraram rapidamente os textos dos sites durante a noite.

Durante as comemorações de 11 de novembro do centenário do fim da I Guerra Mundial (1914-1918), o interior da catedral parisiense recebeu as bandeiras de todos os convidados à cerimônia, entre elas a do Kosovo.

A Sérvia, que não reconheceu a independência de sua ex-província meridional, considerou o fato um "escândalo". 

As relações entre Paris e Belgrado pioraram quando o presidente do Kosovo, Hashim Thaçi, foi colocado na tribuna de honra, enquanto o presidente da Sérvia, Aleksandar Vucic, foi posicionado em uma tribuna secundária.

Nas redes sociais, o tema ganhou repercussão. "Que arda qualquer um que tenha bombardeado a República Srpska (entidade sérvia da Bósnia) e Sérvia, inocentes e impotentes", escreveu no Twitter o usuário Rajko Vasic.

A Sérvia recorda o 20º aniversário dos bombardeios da Otan em Belgrado, que obrigaram o país a retirar suas tropas de Kosovo, encerrando o conflito contra os separatistas albaneses-kosovares. Os sérvios consideram esta ação uma humilhação e um profundo trauma.

"Todos os que comemoram esta noite deveriam se perguntar quais são os nossos pecados, após o incêndio que destruiu a igreja (sérvia) São Sava" de Nova York em 2016, opinou Alex Krstanovic. 

O presidente Aleksanadr Vucic expressou apoio à França e afirmou que "todos os cidadãos da Sérvia estão tristes".

Ele afirmou que seu país está disposto "a ajudar na reconstrução deste símbolo da civilização francesa e mundial".

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade