Publicidade

Correio Braziliense

Governo dos Emirados celebra veto "estratégico" de Trump sobre o Iêmen

O presidente americano vetou na terça-feira uma resolução aprovada pelo Congresso que determinava o fim de qualquer apoio à coalizão saudita na guerra do Iêmen.


postado em 17/04/2019 08:17 / atualizado em 17/04/2019 08:34

Ministro das Relações Exteriores dos Emirados Árabes Unidos, Anwar Gargash(foto: Khaled Desouki/AFP)
Ministro das Relações Exteriores dos Emirados Árabes Unidos, Anwar Gargash (foto: Khaled Desouki/AFP)
O governo dos Emirados Árabes Unidos, um dos pilares da coalizão que atua sob a liderança da Arábia Saudita no Iêmen, celebrou o veto do presidente americano Donald Trump a uma resolução do Congresso que indicava o fim do apoio às operações militares no país em guerra.

"A decisão importante do presidente Trump é oportuna e estratégica", afirmou no Twitter o ministro das Relações Exteriores do país, Anwar Gargash.

Donald Trump vetou na terça-feira uma resolução aprovada pelo Congresso americano que determinava o fim de qualquer apoio à coalizão saudita na guerra do Iêmen.

"Esta resolução é uma tentativa desnecessária e perigosa de enfraquecer meus poderes constitucionais, colocando em risco as vidas dos cidadãos americanos", disse Trump para justificar o veto.

A Câmara de Representantes havia aprovado a medida, no início do mês, por 247 votos contra 175, determinando ao presidente "retirar as forças armadas das hostilidades que afetam a República do Iêmen" no prazo de 30 dias. 

Foi a primeira vez nos últimos 45 anos que o Congresso utilizou uma lei de 1973 que invoca a Resolução de Poderes de Guerra, destinada a limitar os poderes do presidente.

Esta é a segunda vez que Trump veta uma decisão do Congresso. Em março, os parlamentares bloquearam o procedimento de emergência com o qual havia decretado a liberação de fundos para a construção do muro na fronteira com o México, decisão vetada por Trump.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade