Publicidade

Correio Braziliense

ONU aprova resolução suavizada sobre violência sexual em conflitos

Os Nobel da Paz Denis Mukwege e Nadia Murad pediram nesta terça-feira ao Conselho de Segurança da ONU garantir a justiça às vítimas de violência sexual em conflitos armados


postado em 23/04/2019 16:53

(foto: Reuters )
(foto: Reuters )
Os Nobel da Paz Denis Mukwege e Nadia Murad pediram nesta terça-feira ao Conselho de Segurança da ONU garantir a justiça às vítimas de violência sexual em conflitos armados, pouco antes de o órgão adotar uma resolução sobre o tema em grande parte esvaziada de conteúdo por Estados Unidos e Rússia.

Após um intenso debate sobre a violência contra as mulheres e mudanças de última hora no texto apresentado pela Alemanha, a resolução foi aprovada com o voto de treze países; Rússia e China se abstiveram.

Moscou e Pequim disseram que queriam combater a violência sexual nos conflitos, mas denunciaram "interpretações flexíveis" no texto e uma luta "manipulada" para criar novas estruturas da ONU.

Em declarações ao Conselho antes da votação, o congolês Mukwege e a yazidi Murad criticaram a inação da comunidade internacional.

"Nem uma só pessoa foi levada à justiça por escravidão sexual", denunciou Nadia Murad ao lembrar a sua comunidade destruída pelo grupo Estado Islâmico no Iraque e na Síria. "As esperanças de uma geração foram destruídas", acrescentou, referindo-se ao "fracasso coletivo" da comunidade internacional.

"Pronunciamos discursos na ONU, mas não se adotam medidas concretas" no âmbito da justiça e "não se fez nada", insistiu.

"O que a comunidade internacional espera para dar justiça às vítimas?", questionou também Denis Mukwege, pedindo o estabelecimento de tribunais nacionais destinados a julgar aos culpados de violência sexual nos conflitos.

A advogada de Nadia Murad e de outras vítimas yazidies, Amal Clooney, também lamentou a fraqueza da resposta internacional. Acusou os Estados Unidos e a Rússia de opor-se à criação de uma justiça internacional contra esses delitos.

Ela também lembrou ao Conselho de Segurança que nos casos de Serra Leona, Camboja, Ruanda, Bósnia e Nurembergue se fez justiça.

"Se não atuarmos agora, será muito tarde", acrescentou, lembrando a atual detenção de milhares de combatentes do Estados Islâmico. "Enfrentamos uma epidemia de violência sexual" e  "a justiça é o antídoto", insistiu a advogada.

À princípio, o projeto de texto alemão queria estabelecer um grupo de trabalho formal, e um "mecanismo" para ajudar a levar os culpadosà justiça e desenvolver a proteção de vítimas no reconhecimento de seus direitos em matéria sexual e reprodutiva.

Rússia, China e Estados Unidos se opõem à criação de um "mecanismo" de justiça, enquanto que o grupo de trabalho foi eliminado e Washington ameaçou com impor o veto caso se faça referência aos direitos reprodutivos, por considerar que estimulava o aborto.

A França denunciou abertamente a postura americana. "Estamos consternados pelo o que o Estado tenha exigido a retirada da referência de saúde sexual e reprodutiva que, entretanto, havia sido acordada" em resoluções anteriores em 2009 e 2013, disse o embaixador francês François Delattre. 

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade