Publicidade

Correio Braziliense

Parlamento japonês aprova indenização de vítimas de esterilização forçada

Após a votação, o primeiro-ministro japonês, Shinzo Abe, expressou o "sincero pesar" do governo e suas "desculpas profundas"


postado em 24/04/2019 10:42

Primeiro-ministro do Japão, Shinzo Abe.(foto: Tiziana Fabi/AFP)
Primeiro-ministro do Japão, Shinzo Abe. (foto: Tiziana Fabi/AFP)
Milhares de japoneses vítimas de esterilização forçada durante a adolescência serão indenizados pelo Estado, seguindo uma lei histórica aprovada nesta quarta-feira (24) por unanimidade no Parlamento. 

Após a votação, o primeiro-ministro Shinzo Abe expressou o "sincero pesar" do governo e suas "desculpas profundas". 

Cerca de 16,5 mil pessoas, de acordo com estatísticas oficiais, foram submetidas a uma cirurgia para impedir que elas pudessem procriar sob uma lei eugênica do ano de 1949, revogada apenas em 1996.

A cirurgia se destinava principalmente a pessoas que sofriam deficiência mental hereditária. 

No ano passado, uma mulher de 60 anos entrou com uma ação contra o governo, à qual rapidamente uma série de vítimas se juntou, pedindo uma reparação de 38 milhões de ienes, cerca de US$ 340 mil.

A nova lei dá o direito a 3,2 milhões de ienes, cerca de US$ 29.000, por pessoa, uma quantia ridícula em relação ao dano sofrido, denunciaram os defensores da causa. 

A Alemanha, a Suécia e outros países tinham leis de eugenia semelhantes e os governos aprovaram leis para compensar as vítimas.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade