Publicidade

Correio Braziliense

EUA retira diplomatas do Iraque por ameaça 'iminente' vinculada ao Irã

Os EUA aumentaram a pressão sobre o Irã nos últimos dias, acusando a república islâmica de planejar ataques na região e reforçando sua presença militar no Golfo


postado em 15/05/2019 16:27

(foto: Pavel Golovkin / AFP )
(foto: Pavel Golovkin / AFP )
Os Estados Unidos ordenaram nesta quarta-feira (15) a retirada de seu pessoal diplomático não essencial da embaixada em Bagdá e do consulado em Erbil por "uma ameaça iminente" em "conexão direta com o Irã", em meio a tensões crescentes com o Irã, vizinho do Iraque.

Horas depois do anúncio, um dos funcionários do Departamento de Estado se referiu às "milícias iraquianas sob comando e controle da Guarda Revolucionária do Irã", o exército ideológico da República Islâmica, como uma ameaça "real". 

Os Estados Unidos aumentaram a pressão sobre o Irã nos últimos dias, acusando a república islâmica de planejar ataques "iminentes" na região e reforçando sua presença militar no Golfo.

"Diversos grupos terroristas e insurgentes estão ativos no Iraque e atacam regularmente tanto as forças de segurança iraquianas como as civis", escreveu o Departamento de Estado em uma advertência para viajantes.

"As milícias sectárias antiamericanas também podem ameaçar cidadãos americanos e companhias ocidentais em todo o Iraque", acrescentaram as autoridades.

Na tarde desta quarta-feira, fontes do Departamento de Estado detalharam que há "diversos fluxos de ameaças diretamente relacionadas com o Irã".

No ano passado, os Estados Unidos fecharam seu consulado na cidade de Basra, no sul do Iraque, onde impera a lei tribal e há muitos grupos armados, culpando o "fogo indireto" das forças respaldadas pelo Irã e alertando seu rival de represálias por qualquer prejuízo. 

O secretário de Estado, Mike Pompeo, fez, na semana passada, uma surpreendente viagem a Bagdá para fortalecer os laços com o Iraque, enquanto desloca sua "pressão máxima" contra Teerã, arqui-rival dos Estados Unidos, mas aliada do Iraque. 

Pompeo disse, então, à imprensa que tinha feito a viagem por uma "escalada da atividade" das forças iranianas e afirmou que a ameaça de ataques era "muito específica".

Em Bagdá, se reuniu com o presidente Barham Saleh e com o primeiro-ministro Adel Abdel Mahdi, com quem falou sobre "a importância de que o Iraque garanta que é capaz de proteger de maneira adequada os americanos em seu país".

Mas a Rússia, importante apoiadora de Teerã, considera que a crise atual remonta à decisão de Washington de se retirar do acordo nuclear com o Irã. O Kremlin expressou suas preocupações com o aumento das tensões.

"Até agora, constatamos uma sustentada escalada das tensões em torno deste tema", disse o porta-voz do Kremlin, Dmitry Peskov, um depois depois de Pompeo se reunir com o presidente russo, Vladimir Putin.

O conselheiro de segurança nacional da Casa Branca, John Bolton, alertou que Washington reagiria implacavelmente a qualquer ataque de Teerã. 

Na segunda-feira, uma série de ataques de origem desconhecida na região do Golfo alimentou a tensão. Nem a Arábia Saudita nem os Emirados Árabes Unidos, dois aliados muito próximos dos Estados Unidos, especificaram a natureza dos ataques.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade