Publicidade

Correio Braziliense

Extrema direita se reúne na Itália pela conquista da Europa

Faltando uma semana para as eleições europeias, Salvini e sua principal aliada, Marine Le Pen tentam construir uma aliança


postado em 18/05/2019 10:03

Italiano Matteo Salvini(foto: AFP / Filippo MONTEFORTE)
Italiano Matteo Salvini (foto: AFP / Filippo MONTEFORTE)
Milão, Itália -Partidos nacionalistas e xenófobos de todo o velho continente, liderados pelo líder italiano Matteo Salvini, a francesa Marine Le Pen e o holandês Geer Wilders, marcham neste sábado (18) em Milão para fortalecer seus laços com o objetivo de conquistar a União Europeia (UE).

Faltando uma semana para as eleições europeias, Salvini e sua principal aliada, Marine Le Pen, líder do Rassemblement National (RN, ex-Frente Nacional), tentam construir uma aliança de extrema direita com cerca de 12 formações para se tornar a principal força política no Parlamento Europeu.

"Temos dado, juntamente com os nossos aliados, a possibilidade ao povo de mudar profundamente a construção europeia", disse a líder da extrema direita francesa em coletiva de imprensa em Milão, na qual acusou o presidente francês Emmamuel Macron de ser um "anti-republicano" que sofre de "síndrome do filho do rei".

A grande marcha contará com a participação de delegações da Alemanha, Áustria, Bélgica, Bulgária, Dinamarca, Eslováquia, Estônia, Finlândia, França, Holanda e República Tcheca.

A internacional ultraconservadora está, no entanto, muito dividida, porque entre suas formações existem grandes divergências sobre questões como orçamento ou a distribuição dos migrantes na UE.

A renúncia, neste sábado, do vice-chanceler austríaco Heinz-Christian Strache, sob suspeita de corrupção, também caiu como uma ducha fria e compromete a imagem da extrema direita europeia.

O principal objetivo é assegurar que o grupo Europa das Nações e das Liberdades (ENL) se torne a terceira força do Parlamento Europeu, contando com a Liga, o RN, o Partido da Liberdade da Áustria (FPÖ) e o flamenco Vlaams Belang, para, assim, superar os liberais.

Salvini, vice-primeiro-ministro e ministro do Interior da Itália, multiplicou seus comícios eleitorais nas últimas semanas.

"Dê-nos uma mão para que possamos nos tornar a primeira força na Europa e recuperar as chaves da nossa casa. As eleições europeias são um referendo entre a vida e a morte, entre passado e futuro, entre uma Europa livre e um Estado Islâmico baseado no medo", exclamou o italiano, que acusou todos os abstencionistas de serem "cúmplices" de Angela Merkel, Emmanuel Macron e George Soros.

"A Europa é forte se suas nações são fortes", sustenta Le Pen, defensora, como Salvini, de uma "Europa de nações e cooperação", em vez de uma União Europeia federalista.

- "Irrealizável" -
Milhares de simpatizantes já chegaram na capital financeira da Itália para marchar até a Piazza del Duomo, famosa por sua catedral gótica, onde vão discursar Salvini, Le Pen e Wilders, líder do Partido pela Liberdade (PVV) holandês.

O jornal italiano La Repubblica estima que Salvini pode obter um bom resultado nas eleições, mas reconhece que há muitas dúvidas sobre sua liderança ao nível do Parlamento Europeu, uma vez que considera "irrealizável" uma aliança internacional de várias formações soberanistas.

"Os primeiros a fechar a porta a Salvini foram precisamente aqueles que a Liga considerava seus interlocutores: a direita austríaca, bávara e finlandesa", lembra o jornal.

As diferenças, de fato, são muitas. Pesa muito o relacionamento com a Rússia, já que tanto Le Pen como Salvini são considerados próximos a Moscou, enquanto os partidos nacionalistas dos antigos países comunistas são alérgicos a essa ideia.

Para Sven Giegold, que lidera a lista dos Verdes na Alemanha, uma aliança entre Matteo Salvini e George Meuthen, líder do Alternativa para a Alemanha (AfD), que confirmou sua presença em Milão, é "totalmente impossível".

"Salvini quer a redistribuição de refugiados na Europa. Meuthen não quer receber nenhum e não quer dar dinheiro para a Europa do sul", explicou Giegold à agência de notícias AGI.

Salvini reconhece essas divergências em voz baixa, embora as minimize.

"Com novos resultados no Parlamento Europeu e novos equilíbrios na Comissão, poderemos mudar as regras que estrangulam a economia", disse ele à imprensa na sexta-feira, após defender uma maior flexibilidade orçamentária.

De acordo com as pesquisas mais recentes, a Liga obteria 26 deputados para o Parlamento Europeu, 20 a mais do que atualmente, o RN chegaria a 20 (+5) e o AfD a 11 ( 10).

Outros partidos, alguns pequenos e com poucas chances, como o Volya búlgaro ou o eslovaco Sme Rodina, conseguiam um assento. Todos participarão da grande marcha milanesa.

O primeiro-ministro húngaro, o ultraconservador Viktor Orban, estará ausente já que recusa qualquer aliança com Le Pen.

O Partido da Lei e da Justiça da Polônia também não será representado, outra importante deserção.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade