Publicidade

Correio Braziliense

Pompeo chega à Argentina para conferência contra terrorismo

O secretário de Estado americano também está no país para apoiar Macri que tenta reeleição em outubro


postado em 19/07/2019 11:52 / atualizado em 19/07/2019 12:30

Mike Pompeo, secretário de Estado Americano (foto: Natacha Pisarenko/AFP)
Mike Pompeo, secretário de Estado Americano (foto: Natacha Pisarenko/AFP)
O secretário de Estado americano, Mike Pompeo, desembarcou em Buenos Aires para assistir, nesta sexta-feira (19/7), a uma conferência de luta contra o terrorismo e se reunir com o presidente da Argentina, Mauricio Macri, no início de uma turnê latino-americana.

Pompeo chegou à Argentina quase à meia-noite de quinta-feira para participar da Segunda Conferência Ministerial Hemisférica de Luta contra o Terrorismo, que coincide com o 25º aniversário do atentado contra o centro judaico Amia, na capital. O episódio deixou 85 mortos e 300 feridos, em 18 de julho de 1994.

A atividade oficial do secretário de Estado começa na sede reconstruída da Associação Mutual Israelita Argentina (Amia), no bairro comercial de Once, onde haverá uma cerimônia fechada em homenagem às vítimas.

A Argentina acusa funcionários iranianos de alto escalão do governo de terem organizado o atentado, e um membro do movimento xiita libanês Hezbollah, de tê-lo executado. Passados 25 anos, ninguém foi julgado, ou condenado, pelo ataque.

Este foi o atentado mais sangrento já ocorrido na Argentina, país que conta com a maior comunidade judaica da América Latina, com quase 300 mil integrantes.

Às 11h locais (11h em Brasília), está previsto o início da conferência hemisférica na sede da Chancelaria argentina. Participarão ministros das Relações Exteriores e autoridades de cerca de 20 países, informou o governo.

A primeira conferência foi realizada em Washington, em dezembro passado. No evento, a Argentina foi escolhida como próximo país-sede.

À tarde, depois de uma entrevista coletiva sobre as conclusões da reunião, Pompeo será recebido por Macri na residência oficial de Olivos, na periferia de Buenos Aires. Trata-se de uma demonstração de apoio ao presidente argentino, que está na briga pela reeleição em outubro.

As pesquisas mostram uma ligeira vantagem do candidato da oposição Alberto Fernández, em uma chapa compartilhada com a ex-presidente Cristina Kirchner, agora como vice.

A disputa pela Casa Rosada acontece em um momento de crise econômica e em meio às severas medidas de austeridade aplicadas pelo governo de Mauricio Macri, firmadas com o Fundo Monetário Internacional (FMI), em troca de um auxílio financeiro de 57 bilhões de dólares.

"Pompeo vai à Argentina para ajudar Macri, que pode perder", disse à AFP Erick Langer, especialista em América Latina da Universidade de Georgetown, nos EUA.

Durante sua viagem latino-americana, Pompeo também visitará Equador, México e El Salvador, em sua quarta viagem pela região desde que assumiu o cargo há mais de um ano.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade