Publicidade

Correio Braziliense

Senado dos EUA aprova prorrogação de fundos para vítimas do 11/9

Proposta que garante compensação até 2092 agora segue para sanção de Trump


postado em 23/07/2019 21:56

Fundo original pagou até 2004 cerca de 7 bilhões para compensar os familiares (foto: Seth Mcallsister/AFP)
Fundo original pagou até 2004 cerca de 7 bilhões para compensar os familiares (foto: Seth Mcallsister/AFP)
O Senado americano aprovou nesta terça por ampla maioria um projeto para prorrogar os fundos para os primeiros socorristas e outros feridos durante os ataques de 11 de setembro de 2001, compensando até 2092 quem ajudou a resgatar pessoas e retirar escombros em condições perigosas. 

A medida, que prevê bilhões de dólares em fundos, já passou pela Câmara dos Representantes e agora deve ser assinada pelo presidente Donald Trump. 

A extensão permanente do Fundo de Compensação às Vítimas do 11 de Setembro põe fim a um capítulo doloroso durante o qual os socorristas afetados e os familiares dos que já morreram foram ao Congresso pedir aos legisladores que prorrogassem o financiamento. 

O fundo original pagou até 2004 cerca de 7 bilhões para compensar os familiares de 2.880 pessoas que morreram em 11 de setembro, mais 2.680 lesionados. 

O Congresso reabasteceu o fundo em 2011 e 2015, e deveria deixar de aceitar novas solicitações no fim de 2020. 

O projeto de lei atual estende a compensação por décadas e permite a distribuição das "somas que sejam necessárias". 

O senador Chuck Schumer, de Nova York, descreveu esta terça como "um dia de alívio" para os socorristas, depois de passarem anos pedindo que os fundos fossem reautorizados. 

"Graças a Deus essas desculpas e esses atrasos terminam hoje para sempre e nossos socorristas podem ir para casa para cuidar da própria saúde", disse Schumer. 

A senadora Kirsten Gillibrand indicou que dez mil pessoas foram diagnosticadas com cânceres relacionados com o 9/11.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade