Publicidade

Correio Braziliense

Boris Johnson defende acordo sobre Brexit após reunião com Merkel

Em fala ao presidente francês, Emmanuel Macron, ele afirmou que ficou ''fortemente encorajad'' por seu encontro na véspera com a chanceler alemã


postado em 22/08/2019 09:18

(foto: Geoffroy Van Der Hasselt/AFP)
(foto: Geoffroy Van Der Hasselt/AFP)
 
Paris, França — O primeiro-ministro britânico, Boris Johnson, disse esta quinta-feira (22/8) ao presidente francês, Emmanuel Macron, que quer chegar a um acordo sobre o Brexit, acrescentando que ficou "fortemente encorajado" por seu encontro na véspera com a chanceler alemã, Angela Merkel.

"Quero que fique claro [...] quero um acordo", disse Johnson aos jornalistas. "Acho que podemos chegar a um acordo e a um bom acordo", acrescentou. Macron afirmou, por sua vez, que uma solução pode ser encontrada dentro de 30 dias sobre a questão da cláusula da fronteira irlandesa ("backstop clause") para resultar em uma saída ordenada do Reino Unido da UE. 

"No quadro do que foi negociado, um trabalho pode ser feito", afirmou, ao receber Johnson no Palácio do Eliseu. Na quarta, Merkel considerou possível que se chegue a um acordo negociado para o Brexit "nos próximos 30 dias". "Desejo um acordo negociado", declarou a chanceler alemã à imprensa em Berlim, ao receber seu homólogo britânico, que realizou sua primeira visita oficial ao exterior desde que assumiu o cargo, no começo de uma turnê diplomática pela Europa. 

As discussões sobre uma saída negociada do Reino Unido do bloco esbarram no mecanismo chamado "salvaguarda irlandesa", previsto no acordo concluído por Londres e pela União Europeia (UE). Este dispositivo procura garantir que, se não for encontrada uma solução melhor, não volte a se instalar uma fronteira física entre a Irlanda do Norte e a República da Irlanda.

O mecanismo teria como consequência a manutenção do conjunto do Reino Unido na união aduaneira com os países da UE até que as duas partes encontrem uma solução para definir sua futura relação pós-Brexit, em um prazo de cerca de dois anos. 

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade