Publicidade

Correio Braziliense

Governo sírio cerca posto militar turco perto de Idlib

Ação ocorreu depois de extremistas e rebeldes avançar sobre o posto


postado em 23/08/2019 13:04

Socorristas procuram por vítimas após bombardeios do governo Sírio, na região de Maaret al Numan, na província síria de Idlib(foto: Abdulaziz Ketaz/AFP)
Socorristas procuram por vítimas após bombardeios do governo Sírio, na região de Maaret al Numan, na província síria de Idlib (foto: Abdulaziz Ketaz/AFP)
As forças do regime sírio cercaram nesta sexta-feira (23/8) um posto de observação do Exército turco perto da província de Idlib, depois de um avanço contra os extremistas e os rebeldes no noroeste do país em guerra.

Os eventos na Síria serão debatidos em uma reunião em 16 de setembro em Ancara entre os presidentes da Rússia, do Irã e da Turquia, três países fundamentais no conflito que devasta este território desde 2011.

O presidentes russo, Vladimir Putin, e seu colega turco, Recep Tayyip Erdogan, concordaram nesta sexta-feira em uma conversa telefônica em "intensificar os esforços comuns" na província síria de Idlib.

Depois de quase quatro meses de bombardeios em Idlib e em províncias próximas dominadas pelos jihadistas, o governo Bashar al-Assad, apoiado pela Rússia, iniciou um avanço em 8 de agosto.

Nas últimas 48 horas, as forças do governo reconquistaram várias localidades entre as províncias de Idlib e de Hama, como a de Morek, onde fica o posto de observação do Exército turco, informou a ONG Observatório Sírio dos Direitos Humanos (OSDH).

"As forças do regime cercam o posto de observação turco de Morek", ao norte de Hama, indicou a ONG.

Na fronteira com a região de Idlib, a Turquia apoia alguns grupos rebeldes sírios e atuou militarmente no conflito contra os curdos sírios e os jihadistas. Há quase dois anos mobiliza forças em 12 postos de observação nas províncias de Idlib e de Hama.

Em Damasco, a agência oficial Sana confirmou que o Exército sírio assumiu o controle de várias cidades de Hama, incluindo Morek e Kafr Zita.

Com três milhões de habitantes, Idlib e as zonas vizinhas das províncias de Hama, Latákia e Aleppo, que são controladas pelos jihadistas do grupo Hayat Tahrir al-Sham (HTS, ex-braço sírio da Al-Qaeda). Grupos rebeldes com menos poder também estão presentes.

Desde o fim de abril, os bombardeios e disparos de artilharia do governo e de seu aliado russo contra estas regiões mataram quase 900 civis, de acordo com o OSDH. E mais de 400.000 pessoas fugiram, segundo a ONU.

A presidência turca advertiu na quarta-feira que não cogita fechar, ou transferir, o posto de observação de Morek. Todos os postos de observação "continuarão operando onde estão", afirmou Ancara.

A região de Idlib estava supostamente protegida por um acordo sobre uma "zona desmilitarizada", anunciado em setembro de 2018 por Turquia e Rússia para separar as zonas governamentais dos territórios jihadistas e insurgentes.

O acordo foi aplicado apenas parcialmente, porém. Moscou denuncia a presença dos jihadistas. Já Ancara teme que Idlib se transforme em um caos generalizado, o que poderia provocar um novo fluxo de refugiados para sua fronteira.

"Os acontecimentos exigem uma revisão do acordo", afirmou o jornal sírio "Al-Watan", ligado ao governo.

O avanço do regime no sul de Idlib parece seguir a linha de uma estrada que liga a capital Damasco com a grande cidade de Aleppo, norte do país, duas metrópoles controladas pelo governo.

A cidade de Khan Sheikhun, reconquistada na quarta-feira, fica na rota estratégica. Um pouco mais ao norte, o setor de Maaret al-Numan foi alvo de bombardeios durante a noite. Três civis morreram, entre eles uma criança, anunciou o OSDH.

Desde 2015 e a intervenção militar de Moscou, o regime, já apoiado pelo Irã e pelo Hezbollah libanês, conseguiu recuperar quase 60% do território.

Iniciada em 2011, a guerra na Síria deixou mais de 370.000 mortos.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade