Publicidade

Correio Braziliense

Cresce lista de eventos cancelados em Hong Kong por protestos em massa

Protestos começaram no mês de junho por conta da rejeição ao projeto de lei de extradições para a China. Região vive a pior crise política desde 1997


postado em 13/09/2019 12:18

Entre os torneios que foram anulados ou adiados, está o torneio internacional feminino de tênis(foto: Philip FONG/AFP)
Entre os torneios que foram anulados ou adiados, está o torneio internacional feminino de tênis (foto: Philip FONG/AFP)
O torneio internacional feminino de tênis de Hong Kong aumentou, nesta sexta-feira (13/9), a lista de eventos esportivos e culturais antecipados, ou anulados, por causa da onda de manifestações na ex-colônia britânica.

 

Os organizadores do Open WTA de Hong Kong, previsto para acontecer no início de outubro, anunciaram seu adiamento por tempo indeterminado, aludindo à "situação atual" no território.

 

Hong Kong atravessa a pior crise política desde sua devolução para a China em 1997, com manifestações quase diárias. Em alguns casos, os protestos levaram a violentos confrontos entre radicais e as forças de segurança.

 

"Depois de muita conversa com nossos associados, concluímos que uma celebração tranquila do torneio será possível em uma data posterior", afirmou a Federação de Hong Kong (HKTA) em um comunicado.

 

Bem-estar em Singapura

 

Um dos eventos esportivos mais prestigiosos da cidade, o Aberto de Tênis da WTA em Hong Kong contou, em edições passadas, com a participação de várias das principais jogadoras do circuito, como Venus Williams, Angelique Kerber e Caroline Wozniacki. Esta última foi campeã em 2016.

 

Tradicionalmente, este torneio é disputado no Victoria Park, um dos principais pontos de concentração das multitudinárias manifestações.

 

Os protestos começaram em junho, em rejeição a um projeto de lei de Hong Kong, autorizando extradições para a China.

 

Embora o texto tenha sido suspenso em definitivo, os promotores dos protestos ampliaram sua pauta de reivindicações, para pedir reformas democráticas e denunciar o retrocesso das liberdades na ex-colônia britânica, assim como a crescente ingerência de Pequim nos assuntos internos da região semiautônoma.

 

Os protestos começam a ter efeito na economia da cidade, já afetada pela guerra comercial entre China e Estados Unidos, e resvalam na reputação de estabilidade de Hong Kong.

 

Cada vez mais artistas anulam, ou adiam, suas apresentações na cidade. Foi o caso do cantor sul-coreano Kang Daniel, do grupo GOT7 e do sul-africano Trevor Noah, um dos comediantes e apresentadores mais conhecidos dos Estados Unidos.

 

O Global Wellness Summit (GWS), um salão para profissionais da economia do bem-estar, será organizado em Singapura.

 

"Garantir a segurança"

 

Na quinta-feira, os produtores do musical Matilda, uma adaptação do livro infantil de Roald Dahl, anunciaram seu cancelamento, a uma semana do início do espetáculo.

 

O teatro onde seria realizada a peça fica perto da sede da polícia, que tem seus arredores tomados por confrontos entre policiais e manifestantes radicais.

 

"Infelizmente, estas 14 semanas de instabilidade em Hong Kong despencaram a venda de ingressos e, o que é mais importante, não podemos garantir a segurança e a tranquilidade da nossa companhia internacional, formada, em grande parte, por crianças", declarou James Cundall, diretor da Lunchbox Theatrical Productions, produtora do espetáculo.

 

Estes cancelamentos afundam ainda mais o setor turístico da cidade, já abalado pelos protestos.

 

Em agosto, Hong Kong registrou uma queda de 40% no número de turistas, em relação ao mesmo período em 2018, disse o secretário local das Finanças, Paul Chan.

 

A taxa de ocupação dos hotéis caiu pela metade, o que teve grande impacto nos pequenos estabelecimentos comerciais e no setor de alimentos.

 

A companhia aérea Cathay Pacific informou, na quarta-feira, uma diminuição de 11,3% em um ano de seu fluxo de passageiros em agosto. Este mês foi marcado por manifestações no aeroporto, que causaram o cancelamento de centenas voos.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade