Publicidade

Correio Braziliense

Tempestade ameaça Bahamas após devastação do furacão Dorian

Há dez dias, depois da passagem do furacão na região, 1.300 pessoas seguem desaparecidas. Chuvas torrenciais e ventos fortes podem ocorrer nesta semana


postado em 13/09/2019 13:01

Barcos destruídos após passagem do furacão Dorian, em Treasure Cay, na ilha de Abaco, Bahamas, nesta quarta-feira (11/09)(foto: Andrew Caballero-Reynolds/ AFP)
Barcos destruídos após passagem do furacão Dorian, em Treasure Cay, na ilha de Abaco, Bahamas, nesta quarta-feira (11/09) (foto: Andrew Caballero-Reynolds/ AFP)
Uma nova tempestade ameaça atingir as Bahamas nesta sexta-feira (13/9), onde há ao menos 1.300 desaparecidos devido a passagem do furacão Dorian, há dez dias. 

O Centro Nacional de Furacões dos Estados Unidos (NHC) informou que há uma alta probabilidade de que uma tempestade tropical traga ventos fortes e chuvas torrenciais ao centro e noroeste das Bahamas, assim como a Flórida na sexta-feira e sábado. 

O fenômeno estava à 00H00 GMT (21H00 Brasília) 380 km a sudeste das Ilhas Ábacos, com 80% de probabilidade de se converter em tempestade tropical nas próximas 48 horas, segundo o NHC.

No noroeste do arquipélago caribenho, devastado pela passagem do furacão de categoria 5 Dorian, as autoridades procuravam 1.300 pessoas que continuam desaparecidas, de acordo com os serviços de emergência. Um dia antes, o número alcançava 2.500.

A redução drástica se deve a uma comparação entre a lista de pessoas reportadas como desaparecidas por suas famílias e a das vítimas alojadas em centros de emergência disse o porta-voz da agência de emergência das Bahamas.

O número oficial de mortos continua em 50 mortos, afirmou o chefe de polícia do arquipélago, Anthony Ferguson.

Mas o balanço deve aumentar, advertiu Ferguson, que pediu paciência à população com a lentidão dos trabalhos de busca.

"Segundo a informação que recebi e a minha experiência, há centenas de pessoas mortas", declarou na quarta-feira o ex-premier Hubert Ingraham, citado pelo jornal Nassau Guardian.

Quase 2.000 pessoas seguiam alojadas em centros de abrigo na Ilha Nova Providência e outras 150 na Grande Bahama. 

O porta-voz também informou que as autoridades suspenderam a deportação de imigrantes ilegais que foram afetados pela tempestade. As Bahamas têm uma vasta comunidade de haitianos, e alguns dos que se encontram irregularmente no arquipélago expressaram o temor de serem expulsos.

O secretário-geral da ONU, Antonio Guterres, deve visitar as Bahamas nos próximos dias para expressar solidariedade às vítimas do furacão.

"A comunidade internacional deve aumentar o apoio para o povo das Bahamas e seu governo", disse Guterres.

Durante sua visita a Bahamas, o secretário-geral se reunirá com o primeiro-ministro Hubert Minnis e outros funcionários do governo em Nassau. Também visitará as vítimas do furacão e as equipes humanitárias que ajudam o governo, informou a ONU em um comunicado.

O consulado das Bahamas em Washington e várias organizações humanitárias iniciaram campanhas de ajuda às vítimas.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade