Publicidade

Correio Braziliense

Edward Snowden: ''Gostaria de voltar aos Estados Unidos''

Após denúncia contra os EUA, que revelou a existência de um sistema de vigilância mundial de comunicações e de internet, Snowden está refugiado na Rússia


postado em 16/09/2019 14:26

Edward Snowden, informante refugiado na Rússia (foto: Frederick Florin/AFP)
Edward Snowden, informante refugiado na Rússia (foto: Frederick Florin/AFP)
O informante americano Edward Snowden, refugiado na Rússia depois ter denunciado a vigilância maciça por parte dos Estados Unidos, disse que gostaria de voltar a seu país, mas quer um "julgamento justo", segundo uma entrevista divulgada nesta segunda-feira (16/9) pela rede CBS.

"Gostaria de voltar aos Estados Unidos, é meu principal objetivo, mas não vou passar o resto da minha vida na prisão", declarou. "Tenho uma reivindicação de base sobre a qual temos que nos colocar de acordo: que é a de um julgamento justo". 

Empregado na agência americana de inteligência NSA, Snowden revelou em 2013 a existência de um sistema de vigilância mundial de comunicações e de internet. 

Enquanto que seus defensores o elogiam por defender a privacidade, os Estados Unidos o acusam de espionagem, roubo de segredos de Estado e pôr em risco a segurança nacional. 

Ele se refugiou em 2013 na Rússia, onde seu visto de residência foi renovado até 2020. 

"Não estou pedindo perdão. Não estou pedindo um passe", disse. E acusou as autoridades americanas de prever "um julgamento de outro tipo" com "procedimentos especiais". 

"Não querem que o juri considere as motivações que me incentivaram a agir (...) Apenas querem que analise se minhas ações foram legais ou ilegais, e não se foram justas ou ruins", lamentou. 

"Não é difícil construir um terreno para dizer que violei a lei", reconheceu Snowden. Mas segundo ele "isso é o menos interessante" e os juízes deveriam se perguntar sobre as consequências de suas ações: "Beneficiaram ou afetaram os Estados Unidos?"

Snowden publicará em 17 de setembro suas memórias em cerca de vinte países, entre eles Estados Unidos, França, Alemanha, Reino Unido, Brasil e Taiwan.

O livro, intitulado "Permanent Record" (Registro permanente), será publicado no mundo todo pela Macmillan Publishers. 

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade