Publicidade

Correio Braziliense

Twitter fecha milhares de contas de fake news no mundo todo

As contas foram fechadas por divulgares notícias falsas e propagandas pró-governamentais


postado em 20/09/2019 11:08

Twitter que fechou milhares de contas em todo mundo por fake news(foto: Emmanuel Dunand/AFP )
Twitter que fechou milhares de contas em todo mundo por fake news (foto: Emmanuel Dunand/AFP )
O Twitter informou nesta sexta-feira (20) que fechou milhares de contas em todo mundo por divulgarem notícias falsas e propagandas pró-governamentais, em lugares como Emirados Árabes Unidos, China e Espanha.

 

"De acordo com nossa política sobre a manipulação em nossa plataforma, suspendemos permanentemente todas essas contas", anunciou o Twitter.

 

A lista inclui 1.019 contas equatorianas, a maioria falsas, vinculadas ao partido político do governo Alianza PAÍS, que "disseminou principalmente conteúdo sobre a administração do presidente Moreno, concentrando-se em questões relacionadas às leis equatorianas sobre liberdade de expressão, censura, governo e tecnologia", afirmou a rede social.

 

"As táticas mais usadas foram a manipulação de 'hashtags' e o encaminhamento de 'spam'", acrescentou.

 

Também eliminou 259 contas originárias da Espanha que "artificialmente impulsionaram a opinião pública" no país.

 

"Operadas pelo Partido Popular, elas consistiam, principalmente, em contas falsas com um comportamento de 'spam', ou que faziam retuíte para aumentar a interação", explicou o Twitter.

 

Outras 267 contas "interconectadas" originárias dos Emirados Árabes Unidos e do Egito foram fechadas após a detecção de que era "uma operação de informações multifacetadas dirigida principalmente contra o Catar e outros adversários, como o Irã".

 

Também suspendeu 4.258 contas que "operavam exclusivamente com base nos Emirados Árabes, visando principalmente ao Catar e ao Iêmen".

 

Esses relatos publicaram informações falsas sobre a guerra no Iêmen, onde Riad ajuda militarmente o governo desde 2015 na luta contra os rebeldes huthis. O grupo tem o apoio do Irã.

 

O restante da lista inclui seis contas "vinculadas ao sistema de mídia estatal da Arábia Saudita", que "foram apresentadas como mídia independente enquanto tuitavam favoravelmente sobre o governo daquela nação", assim como a conta de Saud al-Cahtani, ex-conselheiro do príncipe herdeiro saudita Mohammed bin Salman na corte real, "por violações de nossas políticas de manipulação".

 

Por fim, o Twitter anunciou a publicação de dados sobre 4.302 contas falsas que participaram da rede de 200 mil contas, "tentando semear discórdia sobre o movimento de protesto em Hong Kong" e foram identificadas em agosto. 

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade