Publicidade

Correio Braziliense

Criança de 7 anos morre após pais optarem por 'rezar' ao tratamento médico

No dia da morte da criança, suas feridas teriam sido tratadas com o pomada antibiótica e 'mel medicinal'


postado em 10/10/2019 08:45 / atualizado em 10/10/2019 08:58

Seth Johnson morreu no dia 30 de março de 2015 e tinha 7 anos(foto: Divulgação/Arquivo Pessoal)
Seth Johnson morreu no dia 30 de março de 2015 e tinha 7 anos (foto: Divulgação/Arquivo Pessoal)
Um casal americano está sendo acusado pela morte do filho adotivo. A Promotoria Pública do Estado de Minnesota alega que em vez de levar a criança até o hospital, seus pais optaram por rezar. Seth Johnson morreu no dia 30 de março de 2015 e tinha 7 anos, porém, o casal Timothy e Sarah Johnson estão sendo acusados por negligência somente este ano. Os dois devem comparecer ao tribunal ainda este mês.

Durante meses, o garoto sofreu de pancreatite aguda e sepse. Apesar disso, ele nunca foi levado pelos pais para se consultar com um médico. De acordo com os documentos da Justiça, o menino tinha lesões e múltiplas contusões. 

Segundo os investigadores, Seth ainda chegou a ser deixado sozinho em casa sob os cuidados do irmão de 15 anos para que os pais fossem a um casamento no fim de semana. Na volta, eles apenas oraram para que o filho se sentisse melhor, apesar de ele já aparentar estar em um estado de saúde crítico. O casal só chamou a polícia quando o menino foi encontrado inconsciente e coberto de vômito. 

Timothy e Sarah afirmaram aos investigadores que o comportamento do menino mudou nas semanas que antecederam sua morte. Ele teria parado de dormir, desenvolveu bolhas nas pernas, lesões nos calcanhares, passou a levar cerca de duas horas para fazer refeições e, às vezes, se jogava pelas escadas. 

Apesar desses sintomas, os pais do garoto não procuraram ajuda. Segundo a polícia, eles tinham “problemas com médicos” e, por isso, preferiram exercer a fé sobre a vida de Seth. 

No dia da morte da criança, suas feridas teriam sido tratadas com a pomada antibiótica e “mel medicinal”. Quando os pais voltaram para casa, os dois “oraram por sua saúde” e depois deram banho nele. Durante depoimento, para a polícia, o casal afirmou, que eles mesmos fizeram o próprio diagnóstico do garoto com transtorno de estresse pós-traumático e lesão cerebral traumática. 

Além disso, durante o depoimento, o casal chegou afirmar que o menino tinha sido previamente diagnosticado com síndrome alcoólica fetal e transtorno de apego reativo. Essas doenças são comuns em quem sofre negligência infantil. Porém, a clínica que os pais deram como referência para a polícia chegar às informações, não encontrou nenhum registro de Seth.

Timothy e Sarah Johnson esperam julgamento em liberdade e se mudaram para Nova Zelândia. 

Outros casos

Neste mês, uma mãe jogou o próprio carro contra uma árvore após ordenar que os filhos retirassem o cinto em Ocala, Florida. Segundo suas filhas a mãe teria pedido para que elas darem as mãos e dizerem: "Senhor Jesus, salva-me". 

No Canadá, um casal também cristão teria rezado por dua horas para seu filho diabético que estava morrendo, sem levá-lo ao hospital. Além dessas ocasiões, um pai foi preso por se recusar a procurar tratamento médico para seus filhos por causas de crenças religiosas. 
 

*A estagiária está sob supervisão da subeditora Ellen Cristie 

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade