Publicidade

Correio Braziliense

Sócios europeus do Reino Unido aceitam negociação 'intensa' sobre Brexit

UE e Reino Unido tentam desbloquear o acordo de divórcio firmado em novembro passado pela então primeira-ministra britânica, Theresa May, e seus 27 pares


postado em 11/10/2019 10:46 / atualizado em 11/10/2019 11:21

O texto foi rejeitado três vezes pelo Parlamento britânico(foto: Kenzo Tribouillsrd / AFP)
O texto foi rejeitado três vezes pelo Parlamento britânico (foto: Kenzo Tribouillsrd / AFP)
O negociador europeu para o Brexit, Michel Barnier, recebeu nesta sexta-feira (11/10) a aprovação dos 27 sócios do Reino Unido para iniciar negociações "intensas" com Londres, na tentativa de desbloquear o acordo de divórcio - disseram fontes diplomáticas.

"Aprovação para entrar em negociações intensas com o Reino Unido", afirmou uma destas fontes, enquanto Barnier informava os embaixadores sobre o estado da negociação com seu par britânico, Steve Barclay, com quem se reuniu pela manhã.

Ao ser questionada sobre o cenário de aprofundamento das discussões por parte de Barnier, outra fonte reforçou: "Sim, confirmado".

UE e Reino Unido tentam desbloquear o acordo de divórcio firmado em novembro passado pela então primeira-ministra britânica, Theresa May, e seus 27 pares. O texto foi rejeitado três vezes pelo Parlamento britânico.

O principal obstáculo é como evitar a reintrodução de uma fronteira para bens entre Irlanda, país-membro da UE, e a província britânica da Irlanda do Norte, preservando o acordo de paz da Sexta-feira Santa, de 1998.

Seu sucessor em Downing Street, Boris Johnson, apresentou na semana passada novos planos para resolver o imbróglio e, desde então, as equipes negociadoras discutem os pontos "problemáticos" para os europeus.

Antes de conseguir o acordo de novembro, os europeus concederam a Barnier a possibilidade de negociar sem ter de informá-los sobre a evolução das discussões.

Quase 52% dos eleitores britânicos apoiaram o Brexit em uma consulta realizada em junho de 2016. Três anos depois, o Reino Unido ainda não encontrou uma saída para concluir este divórcio inicialmente previsto para acontecer em 31 de outubro.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade