Publicidade

Correio Braziliense

Uma em cada quatro mulheres na América Latina se casou sendo menor de idade

A Organização das Nações Unidas adverte que essa cifra ''permanece igual há 25 anos''


postado em 11/10/2019 21:25

(foto: Editoria de arte/CB/D.A Press)
(foto: Editoria de arte/CB/D.A Press)
Um quarto das mulheres jovens na América Latina se casou ou se uniu antes de atingir a maioridade, alertou a UNICEF na sexta-feira, pedindo aos governos que prestem atenção a essa realidade.

 

"Uma em cada quatro mulheres jovens da América Latina e do Caribe contraiu matrimônio pela primeira vez ou se encontrou em uma união prematura antes dos 18 anos", informou a Unicef em um relatório divulgado no Panamá.

 

A Organização das Nações Unidas adverte que essa cifra "permanece igual há 25 anos".

 

Se essa tendência continuar, a América Latina terá uma das maiores taxas de casamento infantil do mundo até 2030, atrás apenas da África Subsaariana, de acordo com o relatório "Perfil do casamento infantil e dos primeiros sindicatos".

 

"As uniões prematuras ou matrimônios infantis dificultam que as mulheres jovens possam desenvolver um projeto de vida", disse em comunicado Bernt Aasen, Diretor Regional interino da Unicef para América Latina e Caribe. 

 

"Não podemos manter os olhos fechados diante esta grande perda de potencial e direitos esquecidos", acrescentou.

 

Segundo a Unicef, os matrimônios infantis e uniões prematuras e forçadas acontecem especialmente na República Dominicana, Nicarágua, Honduras e Belize, com mais de 30% das mulheres de 20 a 24 anos.

 

O relatório indica que a situação se agrava em áreas rurais e lugares pobres com menos acesso à educação. 

 

O documento acrescenta que a maior parte das mulheres que contraiu matrimônio durante a infância deu à luz antes dos 18 anos, e mais de 8 de cada 10 antes dos 20 anos. 

 

"As adolescentes que se casam antes dos 18 anos enfrentam maiores obstáculos no mercado de trabalho, expostas a um ciclo vicioso de pobreza e exclusão", acrescentou.

 

Shelly Abdoll, assessora regional de gênero da Unicef para a América Latina e o Caribe, alertou que "se não agirmos agora contra uniões precoces e casamento infantil, o presente e o futuro das adolescentes estarão em risco". 

 

"Por quanto tempo permaneceremos calados diante dessa reprodução brutal da desigualdade?", acrescentou Abdoll. 

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade