Publicidade

Correio Braziliense

Câmara dos EUA condena retirada de tropas da Síria

Resolução aprovada pela Câmara dos EUA é a primeira posição formal do Congresso contra a decisão de Trump de retirar tropas da Síria


postado em 16/10/2019 19:37

Com a retirada de tropas americanas, Síria vive uma nova ofensiva da Turquia contra milícias curdas(foto: AFP/Reprodução)
Com a retirada de tropas americanas, Síria vive uma nova ofensiva da Turquia contra milícias curdas (foto: AFP/Reprodução)
A Câmara de Representantes dos Estados Unidos aprovou nesta quarta-feira, por ampla maioria, uma resolução que condena a decisão do presidente Donald Trump de retirar as tropas americanas do norte da Síria, o que revela a rejeição de democratas e republicanos à medida.

A resolução é a primeira manifestação formal do Congresso à decisão de Trump, considerada pelos especialistas como o sinal verde de Washington à ofensiva militar lançada pela Turquia contra as milícias curdas no norte da Síria.

A Câmara "rejeita a decisão de acabar com certos esforços dos Estados Unidos para evitar operações  militares turcas contras as forças curdas no nordeste da Síria", assinala a resolução não vinculante, aprovada por 354 votos a 60.

O texto exorta o presidente turco, Recep Tayyip Erdogan, a "cessar imediatamente as ações militares unilaterais" na zona e defende a manutenção do apoio humanitário americano às comunidades curdas na Síria.

Pouco antes da votação, Trump minimizou a importância dos curdos aliados dos EUA na luta contra o Estado Islâmico (EI) avaliando que "não são anjos".

O presidente avaliou que o Partido dos Trabalhadores do Curdistão (PKK) é, provavelmente, uma "ameaça terrorista" maior que o EI, mas negou ter dado sinal verde a Erdogan para sua ofensiva.

"Não lhe dei sinal verde. Quando alguém diz algo assim mente. Foi o contrário de um sinal verde. Para começar, quase já não tínhamos soldados lá. A maioria já tinha partido", disse Trump, horas antes de o vice-presidente, Mike Pence, viajar à Turquia para tentar um cessar-fogo.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade