Publicidade

Correio Braziliense

Hillary Clinton denuncia que Rússia prepara uma democrata para eleições

Segundo Hillary Clinton, a Rússia tem investido em uma pré-candidata democrata para tentar dividir o eleitorado e ajudar Trump nas eleições de 2020


postado em 18/10/2019 17:44

A congressista Tulsi Gabbard é apontada como o nome da Rússia em 2020(foto: Brendan Smialowski/AFP)
A congressista Tulsi Gabbard é apontada como o nome da Rússia em 2020 (foto: Brendan Smialowski/AFP)
A ex-secretária de Estado americano Hillary Clinton alertou que a Rússia está "preparando" uma pré-candidata democrata para formar um novo partido no próximo ano e disse que a congressista Tulsi Gabbard poderia desempenhar esse papel. 

O objetivo da operação seria dividir o eleitorado americano e ajudar o presidente Donald Trump a vencer a reeleição, disse Clinton, que perdeu para o republicano nas eleições de 2016.

"Não estou fazendo nenhuma previsão, mas acredito que eles estão de olho em alguém que atualmente está participando das primárias democratas, e a estão preparando para ser candidata de um terceiro" partido, disse Clinton a David Plouffe em seu podcast "Campaign HQ".

"Ela é a favorita dos russos. Eles têm muitos sites, bots e outras maneiras de apoiá-la", acrescentou.

As outras mulheres que participam da disputa pela indicação democrata são as senadoras Elizabeth Warren, Kamala Harris e Amy Klobuchar e a autora Marianne Williamson, nenhuma delas ligada a Moscou da mesma forma que Gabbard.

Analistas de mídia dos EUA demonstraram que sites vinculados à Rússia comemoraram o lançamento da campanha de Gabbard, defenderam seu polêmico encontro em 2017 com o presidente sírio Bashar al-Assad e atacaram pessoas que sugeriram que Gabbard é um peão de Moscou.

Na semana passada, o New York Times citou influentes republicanos que disseram estar impressionados com as posições políticas e a energia de Gabbard.

O teórico de extrema direita Mike Cernovich disse que "parece muito trumpiana".

Gabbard rejeitou parte do apoio de fontes nacionalistas ou direitistas, e durante o debate democrata na semana passada criticou o Times por publicar "difamações" e disse que os comentaristas de televisão que a chamavam de "patrimônio russo" são "completamente desprezíveis".

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade