Publicidade

Correio Braziliense

Irã celebra 40 anos da tomada de reféns da embaixada americana

Em Teerã, milhares de pessoas se reuniram durante a manhã diante do prédio que abrigava a representação diplomática americana no centro da cidade


postado em 04/11/2019 08:56 / atualizado em 04/11/2019 09:10

As relações diplomáticas entre Washington e Teerã foram rompidas na ocasião e nunca foram retomadas(foto: AFP)
As relações diplomáticas entre Washington e Teerã foram rompidas na ocasião e nunca foram retomadas (foto: AFP)
O Irã celebra nesta segunda-feira (04/10) o 40º aniversário da tomada de reféns na embaixada dos Estados Unidos em Teerã com manifestações antiamericanas em várias cidades do país.

Em Teerã, milhares de pessoas se reuniram durante a manhã diante do prédio que abrigava a representação diplomática americana no centro da cidade.

"Os Estados Unidos são como um escorpião com veneno mortal, que continua te importunando quando já está esmagado", declarou o general de divisão Abdolrahim Musavi, comandante do exército iraniano.

"A única via para seguir avançando é manter o espírito revolucionário, baseado na prudência e na obediência ao guia" supremo iraniano Ali Khamenei", completou o militar.

Negociar com Washington seria o equivalente a aceitar a "submissão e a derrota", declarou, ao repetir as palavras do aiatolá Khamenei.

A emissora de TV estatal exibia imagens ao vivo de manifestações similares em várias cidades iraniana, em especial em Mashhad (norte) e Isfahan (centro), a segunda e terceira maiores localidades do país, respectivamente, assim como em outras regiões do território iraniano.

A agência Mehr, próxima dos conservadores, afirmou que "milhões de pessoas participam nas manifestações em todo o país".

Em Teerã, mulheres a maioria de shador  e crianças exibiam cartazes em inglês e persa com a frase "Morte aos Estados Unidos, morte a Israel, vitória para o islã, além de outras que ironizavam o presidente americano Donald Trump.

Ataque à embaixada 

Várias faixas exibiam a frase "Abaixo Estados Unidos" e muitos cartazes citavam o discurso de domingo do aiatolá Khamenei sobre a necessidade de impedir que os Estados Unidos "coloquem um pé no Irã".

Em 4 de novembro de 1979, menos de nove meses depois da queda do último xá do Irã, um grupo de estudantes partidários da revolução islâmica invadiu a embaixada americana em Teerã, chamada na época de "ninho de espiões" pelos simpatizantes do aiatolá Khomeini, fundador da República Islâmica.

Para liberar os reféns, os estudantes exigiam que Washington extraditasse o xá para que ele fosse julgado em Teerã.

A crise acabou 444 dias depois, com a morte do xá Mohammad Reza Pahlavi no Egito e com a libertação de 52 funcionários americanos.

As relações diplomáticas entre Washington e Teerã foram rompidas na ocasião e nunca foram retomadas.

O 40º aniversário da tomada de reféns na embaixada acontece em um momento de grande tensão entre os dois países, sobretudo após a retirada unilateral dos Estados Unidos do acordo internacional sobre o programa nuclear do Irã, assinado em 2015, e com a política de "pressão máxima" de Washington contra Teerã.

"Os documentos encontrados (dentro da embaixada dos Estados Unidos em 1979) confirmaram as afirmações dos estudantes revolucionários de que Washington utilizava o imóvel para estimular complôs contra a nascente República Islâmica", afirmou a agência Mehr.

"Arrogância"

No sábado, as autoridades inauguraram novos murais antiamericanos no complexo que abrigava a embaixada dos Estados Unidos em Teerã, denunciando a "arrogância" de um país apresentado como sedento por guerra para sustentar seu domínio sobre o mundo.

Quarenta anos depois, a tomada de reféns de diplomatas americanos ainda envenena as relações entre a República Islâmica e os Estados Unidos.

Gary Sick, professor universitário e que integrava na época o Conselho de Segurança Nacional dos Estados Unidos, a crise dos reféns em 1979 é "provavelmente o que melhor explica por quê estamos nesta espécie de impasse em que nos encontramos agora".

"Se você olha para tudo o que o Irã fez ou que nós fizemos neste tempo, o tipo de punição que está sendo aplicada ao Irã é totalmente desproporcional", declarou.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade