Publicidade

Correio Braziliense

Polícia boliviana detém presidente do tribunal eleitoral

A informação foi confirmada em coletiva de imprensa horas após a renúncia do presidente Evo Morales


postado em 10/11/2019 20:48 / atualizado em 10/11/2019 21:12

Comandante geral da Bolívia, Vladimir Yuri Calderón(foto: Aizar Raldes/AFP)
Comandante geral da Bolívia, Vladimir Yuri Calderón (foto: Aizar Raldes/AFP)
A polícia deteve neste domingo (10/11) a presidente do Tribunal Eleitoral da Bolívia, María Eugenia Choque, por ordem do Ministério Público, que investiga as irregularidades nas eleições de 20 de outubro, informou o comandante geral,  Vladimir Yuri Calderón.

 

"Queremos anunciar que, graças a um trabalho minucioso da polícia boliviana, se conseguiu a detenção da presidente do Tribunal Supremo Eleitoral, María Eugenia Choque", disse Calderón em coletiva de imprensa, horas depois de o presidente Evo Morales renunciar.

 

O general Calderón disse que também foi detido neste domingo Antonio Costas, que era vice-presidente do TSE, encarregado do sistema informático e que renunciou dois dias após as questionadas eleições de 20 de outubro, nas quais foi reeleito o presidente Evo Morales, segundo a contagem oficial.

 

Costas renunciou por discordar da decisão de suspender, no dia das eleições, um sistema de contagem rápido de votos durante 20 horas. Quando de 80% dos votos haviam sido apurados por este sistema, os resultados apontavam para um segundo turno entre Morales e o ex-presidente Carlos Mesa. Ao se retomar a contagem rápida, houve uma "drástica e inexplicável" mudança de tendência para a reeleição de Morales no primeiro turno.

 

Além disso, a imprensa boliviana informou que neste domingo foi detida também a ex-presidente do tribunal eleitoral da região oriental de Santa Cruz, Sandra Kettels, que havia renunciado em 30 de outubro em meio a questionamentos sobre as eleições.

 

Morales, no poder desde 2006, renunciou neste domingo depois de perder o apoio das Forças Armadas e da Polícia.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade