Publicidade

Correio Braziliense

Quatro pessoas morrem em incêndios na Austrália

Moradores encontraram o corpo nos arredores da cidade de Kempsey, no estado de Nova Gales do Sul, uma das várias áreas atingidas por incêndios florestais nos últimos dias.


postado em 14/11/2019 09:03 / atualizado em 14/11/2019 09:20

A previsão é que condições difíceis voltarão a ocorrer em Queensland e Nova Gales do Sul no fim de semana(foto: William West / AFP)
A previsão é que condições difíceis voltarão a ocorrer em Queensland e Nova Gales do Sul no fim de semana (foto: William West / AFP)
Os incêndios que afetam a costa leste da Austrália há quase uma semana deixaram quatro mortos, de acordo o balanço mais recente da polícia, uma tragédia que provoca indignação com o governo conservador, que minimiza os efeitos da mudança climática.

Moradores encontraram o corpo nos arredores da cidade de Kempsey, no estado de Nova Gales do Sul, uma das várias áreas atingidas por incêndios florestais nos últimos dias. 

A polícia disse que a identificação formal ainda não foi feita, mas suspeita que seria o corpo de um homem de 58 anos que morava em um galpão. Ele foi visto pela última vez na sexta-feira (8/11). 

Três outras pessoas morreram em incêndios florestais em Nova Gales do Sul, o estado mais afetado pelas chamas que atingem a costa leste desde o final da semana passada. Os incêndios são agravados pelos fortes ventos, temperaturas elevadas e uma vegetação muito seca. 

Mais de 100 focos estavam ativos nesta quinta-feira (13/11), mas uma pausa nas condições "catastróficas" diminuiu o perigo de muitos incêndios e moradores retornaram para analisar os danos em suas casas.

A previsão é que condições difíceis voltarão a ocorrer em Queensland e Nova Gales do Sul no fim de semana, com o aumento da temperatura e o retorno dos fortes ventos. 

Centenas de casas foram danificadas ou destruídas e mais de um milhão de hectares de vegetação foram devastados pelas chamas. 

Os incêndios também arrasaram a fauna e a flora da região. Especialistas afirmaram que centenas de coalas morreram na tragédia.

Apenas em uma reserva nas proximidades de Port Macquarie foram registradas 350 mortes de coalas, o que provoca um grande temor pelo futuro destes animais na região.

Nick Boyle, da agência de conservação de Taronga, afirmou que "nossos corações estão partidos, não apenas pelas vítimas, mas também pela vida selvagem indefesa que está morrendo".

A Austrália é vítima a cada ano, durante a primavera e o verão, de incêndios. Mas a atual temporada começou antes e de forma mais violenta.

A onda de incêndios provocou a indignação da população com o governo conservador, fervoroso defensor da indústria da mineração e que continua minimizando a ameaça da mudança climática.

Para muitos moradores da costa leste do país, as chamas representam a materialização de um perigo que não é apenas teórico.

Várias pessoas criticam a passividade do primeiro-ministro Scott Morrison sobre o tema.

Durante dias, o chefe de Governo se negou a responder perguntas sobre a mudança climática, alegando a urgência de ajudar as vítimas dos incêndios.

Morrison, do Partido Liberal, admite a realidade da mudança climática, mas afirma que o problema pode ser solucionado sem punir a economia. O chefe de Governo é um grande defensor da indústria de mineração australiana, que representa 70% das exportações nacionais.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade