Publicidade

Correio Braziliense

Merkel não compartilha da visão 'radical' de Macron sobre OTAN

Primeira-ministra da Alemanha, Angela Merkel, diz que considera críticas de Macron sobre o papel da OTAN desnecessárias


postado em 16/11/2019 14:24 / atualizado em 16/11/2019 14:24

Em entrevista, presidente da França lamentou o que chama de 'a morte cerebral da OTAN'(foto: Ludovic MARIN/AFP)
Em entrevista, presidente da França lamentou o que chama de 'a morte cerebral da OTAN' (foto: Ludovic MARIN/AFP)
A primeira-ministra alemã Angela Merkel rejeitou nesta quinta-feira as declarações do presidente francês Emmanuel Macron sobre a “morte encefálica” da OTAN, opinião que considera muito radical.

“Não acho que opiniões tão radicais sejam necessárias, mesmo que tenhamos problemas e precisemos reunir forças”, disse Merkel em entrevista coletiva com o secretário-geral da Aliança Atlântica, Jens Stoltenberg.

Ele, por outro lado, estimou que a OTAN permanece “forte” e destacou que os Estados Unidos e a Europa atualmente “trabalham juntos, mais do que temos feito há décadas”.

Macron denunciou, em entrevista publicada nesta sexta-feira pelo semanário The Economist, “a morte cerebral da OTAN”. Lamenta, acima de tudo, a falta de coordenação entre os EUA e a Europa, assim como o comportamento unilateral da Turquia, membro da Aliança Atlântica, na Síria.

É necessário “esclarecer agora quais são os objetivos estratégicos da OTAN”, afirma Macron, novamente defendendo o “fortalecimento” da defesa europeia, apenas um mês antes da cúpula da OTAN, marcada para o início de dezembro em Londres.

O chefe do Estado francês se pergunta, em particular, sobre o futuro do artigo 5 do Tratado Atlântico, que estabelece solidariedade militar entre os membros da Aliança se um deles for atacado.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade