Publicidade

Correio Braziliense

Ativistas pró-democracia organizam novos protestos em Hong Kong

Diferentes fóruns on-line nos quais se coordena o movimento de protesto, convocaram a população a participar em uma grande concentração no domingo (30/11) e uma greve na segunda-feira (1/12)


postado em 29/11/2019 08:53 / atualizado em 29/11/2019 09:14

Nesta sexta-feira (29/11), centenas de pessoas se concentraram pela manhã em vários bairros da cidade(foto: Nicolas Asfouri / AFP)
Nesta sexta-feira (29/11), centenas de pessoas se concentraram pela manhã em vários bairros da cidade (foto: Nicolas Asfouri / AFP)
Os ativistas pró-democracia pediram mais ações nesta sexta-feira em Hong Kong, onde a polícia evacuou o campus da Universidade Politécnica, epicentro do movimento desde meados de novembro.

Diferentes fóruns on-line nos quais se coordena o movimento de protesto, que carece de um verdadeiro líder, convocaram a população a participar em uma grande concentração no domingo (30/11) e uma greve na segunda-feira (1°/12) para perturbar os transportes públicos. 

"Se o governo comunista de Hong Kong ignora a opinião pública, terá durante cinco ou seis dias seguidos 'uma eclosão generalizada' [...] Devemos fixa um prazo", dizia uma mensagem publicada no fórum Reddit-like LIHKG, que recebeu uma acolhida muito favorável dos internautas. 

"Eclosão generalizada" é o nome que os manifestantes dão a seu novo 'modus operandi' adotado em novembro, que consiste em realizar ações de baixa intensidade para testar as forças de segurança e perturbar a circulação dos transportes públicos. 

Nesta sexta-feira (29/11), centenas de pessoas se concentraram pela manhã em vários bairros da cidade. A polícia antidistúrbios foi acionada, mas os manifestantes se dispersaram pacificamente. 

Essa nova mobilização acontece em meio à resistência de Pequim e do executivo local de fazer concessões a manifestantes, apesar da esmagadora vitória da oposição nas eleições locais de domingo. 

Depois de quase seis meses de protestos, os eleitores deram um duro golpe no governo local, apoiado por Pequim, que até então sempre alegava que contava com o apoio de uma maioria silenciosa em Hong Kong.

Campus desalojado  

Os dias anteriores e posteriores às eleições foram marcados por um raro período de calma, depois de semanas de manifestações que derivaram em choques entre a polícia e os manifestantes. 


A chefe do executivo de Hong Kong, Carrie Lam, admitiu a insatisfação da população, mas se negou a aceitas as demandas dos manifestantes. 

Nesta sexta-feira, a polícia encerrou o episódio mais violento dos protestos: o cerco do campus da Universidade Politécnica de Hong Kogn (PolyU). 

Ali houve, em 17 de novembro, violentos confrontos entre a polícia e os manifestantes, que levaram ao cerco do campus por parte da polícia para desalojar os centenas de ativistas entrincheirados. 

Muitos deles se renderam antes de serem detidos, enquanto alguns conseguiram escapar usando cordas ou pelo sistema de esgoto. 

Após a saída de quase todos os manifestantes, a polícia entrou na quinta-feira no campus, onde encontraram cerca de 4.000 coquetéis Molotov.

Na sexta-feira, os agentes retiraram o cordão policial que cercava o campus e pôs fim a 13 dias de cerco. 

O movimento pró-democracia começou em junho por um projeto de lei, já suspenso, para facilitar as extradições para a China, mas depois foi se ampliando e incorporando reinvindicações, como um sufrágio universal e uma investigação independente da violência policial. 

Mais de 5.800 pessoas foram presas desde então e 1.000 consideradas culpadas, segundo dados do governo, enquanto que a polícia lançou mais de 12.000 granadas lacrimogêneas.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade