Publicidade

Correio Braziliense

Sobe para 4 o número de mortos pelo tufão Kammuri na Filipinas

Três pessoas morreram nas ilhas de Mindoro e Marinduque devido à queda de árvores e outros objetos, e uma quarta se afogou na ilha de Leyte


postado em 04/12/2019 12:12 / atualizado em 04/12/2019 12:12

Os efeitos do tufão poderiam ter sido piores se o governo não tivesse feito preparativos em várias províncias e comunidades locais(foto: Razvale Sayat / AFP)
Os efeitos do tufão poderiam ter sido piores se o governo não tivesse feito preparativos em várias províncias e comunidades locais (foto: Razvale Sayat / AFP)
Pelo menos quatro pessoas morreram nas Filipinas devido ao forte tufão Kammuri, que causou a evacuação de milhares de pessoas e o fechamento do aeroporto internacional de Manila, informaram fontes oficiais nesta quarta-feira (4/12).

A tempestade tropical, que aterrissou na noite de segunda-feira (2/12) no sudeste de Luzón, a principal ilha do arquipélago, atingiu as regiões sul da capital Manila na terça-feira, forçando cerca de 600 mil pessoas a deixarem suas casas, segundo autoridades da defesa civil.

Três pessoas morreram nas ilhas de Mindoro e Marinduque devido à queda de árvores e outros objetos, e uma quarta se afogou na ilha de Leyte, de acordo com a polícia e as autoridades.

“Esperamos que sejam os últimos (mortos)”, declarou à AFP Mark Timbal, porta-voz da Agência Nacional de Gestão de Desastres. 

Enfatizou também que os efeitos do tufão poderiam ter sido piores se o governo não tivesse feito preparativos em várias províncias e comunidades locais.

“Vimos uma melhora na atitude das pessoas que agora estão mais dispostas a participar dos procedimentos de evacuação”, acrescentou Timbal, referindo-se ao papel das redes sociais e às preocupações levantadas pelos recentes terremotos mortais no país.

“As evacuações preventivas foram um fator-chave”, afirmou Sher Saises, chefe da defesa civil em Tacloban (centro), a cidade mais devastada pelo terrível tufão Haiyan, que causou mais de 7.360 mortes e desaparecimentos em 8 de novembro de 2013, com rajadas de vento de 305 km/h.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade