Publicidade

Correio Braziliense

Marcha pelo clima em Madri pressiona a COP25

Sob o lema ''o mundo acordou diante da emergência climática'', a marcha climática de Madri começará às 18h00 (14h00 de Brasília) em frente à estação de Atocha


postado em 06/12/2019 08:14 / atualizado em 06/12/2019 08:29

Símbolo da luta pelo meio ambiente desde que lançou, em agosto de 2018, sua ''greve escolar'' que impulsiona o movimento global ''Sexta-feira pelo futuro''(foto: Oscar Del Pozo / AFP)
Símbolo da luta pelo meio ambiente desde que lançou, em agosto de 2018, sua ''greve escolar'' que impulsiona o movimento global ''Sexta-feira pelo futuro'' (foto: Oscar Del Pozo / AFP)
"Os discursos não bastam". Com a jovem sueca Greta Thunberg na liderança, milhares de pessoas vão protestar nesta sexta-feira (6/12) em Madri para pressionar os países signatários do Acordo de Paris a agir contra o aquecimento global.

Outra marcha está planejada em Santiago do Chile, onde a reunião anual da ONU sobre o clima (COP25) aconteceria antes que o país desistisse de recebê-la por causa de um movimento social sem precedentes.

Sob o lema "o mundo acordou diante da emergência climática", a marcha climática de Madri começará às 18h00 (14h00 de Brasília) em frente à estação de Atocha.

Símbolo da luta pelo meio ambiente desde que lançou, em agosto de 2018, sua "greve escolar" que impulsiona o movimento global "Sexta-feira pelo futuro", Greta Thunberg estará presente. A jovem sueca dará uma conferência às 16h30 (12h30 de Brasília).

Sem viajar de avião, devido a seu impacto ambiental, Greta foi de veleiro participar de uma cúpula da ONU sobre o clima em Nova York e depois para a COP25 anunciada no Chile. Com a mudança de local, teve que pegar uma catamarã para fazer o caminho inverso.
 
Depois de três semanas no mar, a ativista de 16 anos chegou a Lisboa e, de lá, seguiu para Madri, onde chegou nesta sexta por volta das 8h40 (4h40 de Brasília). Ela dará uma coletiva de imprensa às 16h30 (13h30 de Brasília).

O ator espanhol Javier Bardem, ativista climático, também participará do protesto, que incluirá discursos e eventos musicais e culturais.

"Sabemos que será grande. Esperamos centenas de milhares pedindo ações urgentes", disse um porta-voz da mobilização, Pablo Chamorro.

A marcha de sexta-feira quer ser um "grande momento global", afirmou Estefanía González, porta-voz da Sociedade Civil para Ação Climática (SCAC), que representa mais de 150 grupos chilenos e internacionais.

Em função da desigualdade social e econômica, a crise no Chile está "diretamente relacionada à crise ambiental", apontou González, referindo-se aos maiores protestos no país desde o fim da ditadura de Augusto Pinochet, há quase 30 anos.

"Hoje, a ação climática se traduz em equidade social. Não é possível ter equidade social sem a equidade ambiental", afirmou o ativista.

A SCAC é um dos organizadores da Cúpula Social para o Clima, uma conferência paralela à COP25 que vai durar uma semana, a partir deste sábado, e incluirá centenas de eventos e workshops.

Os cerca de 200 signatários do Acordo de Paris, que visa limitar o aquecimento global a +2°C ou 1,5°C, estão reunidos desde segunda por duas semanas em Madri, pressionados para definir metas mais ambiciosas para reduzir as emissões de gases de efeito estufa.

Embora o termômetro tenha registrado alta de 1°C desde a era pré-industrial, ampliando os desastres climáticos, esta reunião pode decepcionar. 

Em um manifesto, as associações que organizam a marcha enviaram uma mensagem clara: "Voltaremos às ruas (...) para exigir medidas reais e ambiciosas de políticos de todo o mundo reunidos na COP" e reconhecem que "a ambição insuficiente de seus acordos levará o planeta a um cenário desastroso de aquecimento global".

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade