Publicidade

Correio Braziliense

Manifestação contra a mudança climática reúne 20 mil pessoas na Austrália

Sydney está envolvida há semanas numa névoa de fumaça tóxica ligada a centenas de incêndios que assolaram o leste da Austrália


postado em 11/12/2019 11:22 / atualizado em 11/12/2019 11:38

Esses incêndios devastadores evidenciaram a questão da mudança climática(foto: Saeed Khan / AFP)
Esses incêndios devastadores evidenciaram a questão da mudança climática (foto: Saeed Khan / AFP)
Cerca de 20 mil pessoas pediram, nesta quarta-feira (11/12), ao governo de Sydney que tome medidas urgentes para combater as mudanças climáticas, num momento em que a capital experimenta picos de poluição relacionados aos incêndios florestais.

Sydney está envolvida há semanas numa névoa de fumaça tóxica ligada a centenas de incêndios que assolaram o leste da Austrália.

Na semana passada, os hospitais da maior cidade do país registraram um aumento de 25% nas internações de emergência.

Na terça-feira (10/12), a fumaça acionou os detectores de incêndio em toda a megalópole e os edifícios tiveram que ser evacuados. 

Algumas conexões de balsa foram canceladas e, durante o recreio, os alunos tiveram que ficar dentro das escolas.

Esses incêndios devastadores evidenciaram a questão da mudança climática. Os cientistas acreditam que este ano aconteceram particularmente cedo e têm sido intensos devido à seca prolongada e ao aquecimento global.


"O país está pegando fogo", explicou Samuel Wilkie, de 26 anos, que participou pela primeira vez em uma manifestação contra o aquecimento global. Segundo ele, a resposta dos políticos é "patética".

"Nosso governo não faz nada a respeito", lamentou Zara Zoe, paisagista de 29 anos.

O primeiro-ministro Scott Morrison, fervoroso defensor da indústria de mineração, não falou muito sobre as fumaças tóxicas, preferindo se concentrar nos municípios rurais afetados pelas chamas. 

A fumaça dos incêndios florestais é uma das principais causas da poluição atmosférica na Austrália.

Libera partículas finas que podem se alojar profundamente nos pulmões e ter, a longo prazo, consequências "sérias" para a saúde, segundo o cientista Mick Meyer, do CSIRO, um organismo de pesquisa científica financiado pelo governo.

"Na maioria das pessoas, causa sintomas leves", disse Richard Broome, diretor do Departamento de Saúde. "No entanto, em pessoas com asma, enfisema e angina de peito podem desencadear sintomas", acrescentou.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade