Publicidade

Correio Braziliense

Mergulhadores procuram corpos de vítimas de erupção na Nova Zelândia

Os mergulhadores trabalham em condições difíceis e perigosas porque existe o risco de uma nova erupção e a visibilidade é reduzida


postado em 14/12/2019 09:56

Os cientistas consideram que há entre 35% e 50% de possibilidades de uma nova erupção na ilha(foto: AFP / NEW ZEALAND DEFENCE FORCE / Handout)
Os cientistas consideram que há entre 35% e 50% de possibilidades de uma nova erupção na ilha (foto: AFP / NEW ZEALAND DEFENCE FORCE / Handout)
Equipes de mergulhadores procuravam neste sábado (14/12) os corpos de pelo menos duas vítimas da erupção do vulcão da Ilha Branca, que entrou em atividade na segunda-feira (9/12) e matou pelo menos 16 pessoas.

A busca se concentra na área em que um corpo foi observado um dia depois da erupção.

Os mergulhadores trabalham em condições difíceis e perigosas porque existe o risco de uma nova erupção e a visibilidade é reduzida. "De entre zero e dois metros", afirmou o vice-comandante da polícia, John Tims.

Das 47 pessoas que se calcula que estavam na ilha no momento da erupção, ao menos 16 morreram, 28 estão hospitalizadas na Nova Zelândia e Austrália - 21 delas em estado crítico, incluindo queimaduras em grande parte dos corpos.

A maioria das vítimas eram turistas procedentes da Austrália, Estados Unidos, Grã-Bretanha, China, Alemanha, Malásia e Nova Zelândia.

Seis corpos foram recuperados na sexta-feira em uma operação arriscada realizada por unidades de elite do exército da Nova Zelândia.

Os cientistas consideram que há entre 35% e 50% de possibilidades de uma nova erupção na ilha.

A primeira-ministra da Nova Zelândia, Jacinda Ardern, anunciou que um minuto de silêncio será respeitado na segunda-feira, no mesmo horário da erupção do vulcão da Ilha Branca.

"Expressaremos nossa tristeza pelos falecidos e nosso apoio a suas famílias e amigos", declarou a chefe de Governo.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade