Mundo

Rouhani aponta um "grave erro"

Correio Braziliense
Correio Braziliense
postado em 05/01/2020 04:05
Manifestantes participam de ato pacifista perto da Casa Branca, em Washington, pedindo o fim dos bombardeios no Iraque e que não seja declarada guerra ao Irã


Com os apelos por vingança ecoando por todo o Irã, o presidente Hassan Rohani afirmou ontem que os Estados Unidos ;não percebem o grave erro que cometeram; com o ataque da última quinta-feira, que matou o general Qassim Soleimani, líder das Forças Quds. ;Os americanos vão ver os efeitos desse ato criminoso, não hoje, mas nos próximos anos;, afirmou o presidente iraniano, após prestar condolências aos familiares do general, em Teerã.

A televisão estatal iraniana veiculou imagens de uma cerimônia em homenagem a Soleimani na cidade de Qom, importante local sagrado para a seita xiita do islamismo, onde foram estendidas bandeiras vermelhas sobre os minaretes das mesquitas. O ato, na tradição xiita, simboliza sangue derramado injustamente e serve como um chamado para as pessoas vingarem quem foi morto.

Nas ruas de Teerã, foram colocados outdoors mostrando a imagem do comandante das Forças Quds, além de um aviso do aiatolá Ali Khamenei prometendo ;dura vingança; contra os Estados Unidos. Novamente, bandeiras norte-americanas foram queimadas por manifestantes que repetiram, aos gritos, ;morte à América;.

Enquanto isso, em Nova York e em Washington, capital dos EUA, manifestantes pacifistas realizaram atos pedindo a retirada das tropas americanas do Iraque, bem como que cessem as sanções e que não declarem guerra contra Teerã. Na sexta-feira, Donald Trump havia afirmado que o bombardeio em Bagdá ocorreu ;para parar uma guerra, não começar uma;.


Tags

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação