Mundo

Trump afirma que o Irã nunca terá armas nucleares

O tuíte foi postado um dia depois que Teerã anunciou que estava diminuindo ainda mais a observância das partes de um acordo internacional firmado para garantir que o país não desenvolva secretamente uma arma nuclear

Agência France-Presse
postado em 06/01/2020 13:15
As tensões entre os dois países aumentaram na semana passada, quando um ataque de drones dos Estados Unidos em Bagdá matou Qassem SoleimaniO presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, disse nesta segunda-feira (6/1) que não permitirá que o Irã tenha armas nucleares, um dia depois de Teerã anunciar sua decisão de ignorar os limites impostos ao seu programa de enriquecimento de urânio.

"O Irã nunca terá a arma nuclear", escreveu no Twitter em letras maiúsculas o presidente Trump.



O tuíte foi postado um dia depois que Teerã anunciou que estava diminuindo ainda mais a observância das partes de um acordo internacional firmado para garantir que o país não desenvolva secretamente uma arma nuclear tendo como desculpa sua indústria nuclear civil.

Os Estados Unidos se retiraram em 2018 de um acordo nuclear alcançado em 2015 entre a República Islâmica e os cinco membros permanentes do Conselho de Segurança da ONU (China, Estados Unidos, França, Reino Unido e Rússia), além da Alemanha.

As tensões entre os dois países aumentaram na semana passada, quando um ataque de drones dos Estados Unidos em Bagdá matou Qassem Soleimani, chefe da Força Quds da Guarda Revolucionária Iraniana.

Enquanto o Irã ameaçou retaliar o assassinato, Trump alertou que seu país As tensões entre os dois países aumentaram na semana passada, quando um ataque de drones dos EUA em Bagdá matou Qasem Soleimani, chefe da Força Quds da Guarda Revolucionária Iraniana. Enquanto o Irã ameaçou retaliar o assassinato, Trump alertou que os Estados Unidos atacarão "com muita força e rapidez" cerca de 52 alvos iranianos se a República islâmica atacar o pessoal ou bens americanos.

Uma multidão enorme participou nesta segunda-feira no funeral do comandante de 62 anos, enquanto no vizinho Iraque, o parlamento votou pela expulsão de cerca de 5.200 soldados americanos posicionados no país.

Tags

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação