Publicidade

Correio Braziliense

Mulher morre na Romênia após bisturi pegar fogo na sala de cirurgia

O contato de bisturis elétricos com álcool teria dado início a um incêndio que atingiu a mulher


postado em 07/01/2020 09:20 / atualizado em 07/01/2020 09:22

A mulher sofreu queimaduras em 40% do corpo e morreu nos dias seguintes a cirurgia(foto: Loic Venance / AFP / Getty Images)
A mulher sofreu queimaduras em 40% do corpo e morreu nos dias seguintes a cirurgia (foto: Loic Venance / AFP / Getty Images)
Uma mulher morreu após ser acidentalmente incendiada em uma mesa de operação em um hospital na Romênia. 

A paciente de 66 anos com câncer de pâncreas foi fatalmente ferida durante uma cirurgia no hospital Floresca, no domingo (22/12), segundo informações da agência de notícias remena Madiafax.

Durante a cirurgia, os funcionários do hospital utilizaram um desinfetante à base de álcool, apesar de a operação envolver um bisturi elétrico. No meio do precedimento o equipamento elétrico teve um defeito e acabou incendiando o desinfetante inflamável que cobria o corpo da paciente.

A mulher sofreu queimaduras em 40% do corpo e morreu nos dias seguintes a cirurgia.

O deputado romeno Emanuel Ungureanu fez um post no Facebook comentando o caso."A paciente queimou como uma tocha por alguns segundos até que uma enfermeira jogou uma tigela de água sobre a mesa de operações", completou.
 
 

De acordo com a publicação de Ungureanu, um dos funcionários do hospital descreveu o incidente. “Quando ele estava retornando àquele bloco de operação, sentiu um forte cheiro de fumaça e verificou de onde vinha, observando que o incêndio veio da sala 1. Entrando no quarto, ele viu muita água no chão e todo mundo estava assustado", completou.
 
As autoridades e o hospital estão investigando o caso, para entender como aconteceu o trágico acidente. Alguns dos médicos envolvidos na cirurgia afirmam que a mulher era alérgica ao desinfetante de iodo, o que significa que eles tiveram que usar desinfetante à base de álcool como alternativa. 

No entanto, Ungureanu disse à agência Mediafax que existem dúvidas sobre essa explicação, pois os médicos não realizaram nenhum teste sobre as alergias da mulher.
 
O caso será acompanhado pelo governo local, que promete tomar medidas. O ministério da Saúde da Romênia lançou uma investigação na esperança de resolver essas questões pendentes. "O problema é que o uso desse eletro-bisturi é proibido em combinação com esse desinfetante", explicou o ministério.

O acidente levantou o debate sobre como o sistema de saúde da Romênia está debilitado. A assistência médica romena foi classificada como a pior da Europa pela Mediafax e foi abalada por vários escândalos nos últimos anos.



Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade