Publicidade

Correio Braziliense

OEA debaterá resolução sobre 'uso da força' no Parlamento da Venezuela

Para ser aprovada, a resolução precisa do apoio de 18 dos 34 membros ativos do bloco regional


postado em 08/01/2020 21:52 / atualizado em 08/01/2020 21:53

Guaidó foi reeleito presidente do Parlamento no domingo(foto: Yuri CORTEZ/AFP)
Guaidó foi reeleito presidente do Parlamento no domingo (foto: Yuri CORTEZ/AFP)
A OEA informou que debaterá na sexta-feira uma resolução que condena o "uso da força" no Parlamento da Venezuela por parte do governo de Nicolás Maduro, reconhece o líder opositor Juan Guaidó como chefe do Legislativo e pede eleições gerais no país.

 

A iniciativa, apresentada por Brasil, Canadá, Colômbia, Estados Unidos, Guatemala, Paraguai, Peru e Venezuela (representada pelo enviado de Guaidó), será analisada em sessão extraordinária do Conselho Permanente da Organização dos Estados Americanos, revelou nesta quarta-feira o organismo.

 

Para ser aprovada, a resolução precisa do apoio de 18 dos 34 membros ativos do bloco regional.

 

O texto condena "o uso da força e de táticas intimidatórias por parte do regime ditatorial" de Maduro para tratar de impedir que os deputados da Assembleia Nacional participassem "livremente" da sessão de domingo para eleger seus líderes.

 

A resolução também saúda Guaidó como presidente do Parlamento e reafirma a "necessidade de se celebrar eleições gerais inclusivas, livres, justas e transparentes" na Venezuela, dirigidas por um Tribunal Eleitoral "renovado e independente" e com a presença de observadores internacionais "independentes".

 

Guaidó foi reeleito presidente do Parlamento no domingo por 100 dos 167 membros da Assembleia Nacional em votação realizada na sede de um jornal, diante do bloqueio da sede parlamentar.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade