Mundo

Governo francês assegura que greve deve parar; sindicatos se mantém firmes

Macron já fez uma série de concessões em sua reforma da Previdência para tentar chegar a um acordo

Agência France-Presse
postado em 12/01/2020 13:11

Greve nos transportes da França começou em 5 de dezembroO governo da França considerou neste domingo (12) que, depois de retirar a medida mais controversa de sua reforma previdenciária, "não há razão" para continuar a greve que paralisa o país há cinco semanas, mas os sindicatos mais duros ainda veem o fim do conflito distante.

"Não há razão para esse movimento de greve continuar (...) Hoje foi alcançado um compromisso com as organizações sindicais que dialogam, e todo mundo aspira a voltar a uma vida mais fácil", afirmou a ministra da Transição Ecológica, Elisabeth Borne, também responsável pelos Transportes.

Para continuar negociando com os sindicatos, o governo retirou "provisoriamente" no sábado a medida mais controversa de sua reforma, que previa aumentar a idade mínima para uma aposentadoria integral de 62 para 64 anos.

O anúncio, feito pelo primeiro-ministro Edouard Philippe no sábado, foi bem recebida por alguns sindicatos moderados, mas outros rejeitaram a ideia de que o conflito terminará em breve.

"Não há razão para esse conflito continuar": "havia pré-condições, essas pré-condições foram levantadas", acrescentou o ministro, durante transmissão da BFM Politics em associação com o jornal Le Parisien.

Nas últimas semanas, o governo já fez uma série de concessões para os policiais e militares, bem como para os pilotos e controladores de tráfego aéreo, permitindo que eles continuem se aposentando mais cedo.

A reforma do sistema previdenciário é um dos projetos mais ambiciosos do presidente Emmanuel Macron e inclui a fusão dos 42 regimes atuais, organizados por profissões, e o estabelecimento de um novo sistema de cálculo, único e por pontos.

Após o anúncio de Philippe, o principal sindicato da oposição, CGT, advertiu que está "mais determinado do que nunca" a conseguir a retirada total do projeto.

Mas outra central mais moderada, a CFDT, o maior sindicato na França e favorável ao sistema universal por pontos, assim como a Unsa e a CFTC, declararam-se dispostas a continuar negociando após a retirada da idade mínima.

No sábado, a CGT e outros sindicatos da oposição convocaram uma nova manifestação para a próxima quinta-feira, 16 de janeiro, pela sexta vez desde o início da greve, em 5 de dezembro.

O governo Macron defendia o aumento da idade mínima de aposentadoria de 62 para 64 como algo necessário diante do aumento da expectativa de vida.

Após 39 dias de greve ininterrupta, a paralisação nos transportes ferroviários é a mais longa desde a criação da companhia ferroviária francesa SNCF em 1938.

Os ônibus e as poucas linhas de metrô que funcionam estão lotadas. Muitos parisienses precisam ir ao trabalho ou estudar em centros de bicicleta ou a pé.

Tags

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação