Publicidade

Correio Braziliense

Mortos por novo vírus na China chegam a 17; preocupação global aumenta

Organização Mundial da Saúde deve declarar situação de "emergência de saúde pública de alcance internacional". O vírus é transmitido pelo trato respiratório


postado em 22/01/2020 13:40 / atualizado em 22/01/2020 16:44

Na China um novo vírus que matou 17 pessoas, infectou centenas, já chegou aos Estados Unidos e pode sofrer mutação.(foto: NICOLAS ASFOURI / AFP)
Na China um novo vírus que matou 17 pessoas, infectou centenas, já chegou aos Estados Unidos e pode sofrer mutação. (foto: NICOLAS ASFOURI / AFP)
O novo coronavírus que apareceu na China já fez 17 mortos e infectou centenas de pessoas, segundo o último balanço, cujo anúncio nesta quarta-feira (22/1) intensifica a preocupação global.

Um comitê da Organização Mundial da Saúde (OMS) deve se reunir na tarde desta quarta para determinar se deve declarar uma "emergência de saúde pública de alcance internacional".

O número total de pessoas infectadas subiu para 444 na província de Hubei, epicentro da epidemia, anunciaram autoridades locais durante uma coletiva de imprensa televisionada.

O vírus apareceu no mês passado na cidade de Wuhan e já chegou a vários países da Ásia e até mesmo nos Estados Unidos, que registrou um primeiro caso.

Nesta quarta, Hong Kong também informou um primeiro suposto caso em um homem que chegou à cidade procedente de Wuhan.

A secretária de Saúde, Sophia Chan, disse que um homem de 39 anos foi testou positivo num exame preliminar, mas que o resultado final sairá apenas na quinta-feira. O indivíduo foi isolado em um hospital.

O presidente chinês Xi Jinping assegurou por telefone a seu colega francês Emmanuel Macron que a China adotou "medidas de prevenção e de controle", garantindo que seu país "está disposto a trabalhar com a comunidade internacional para responder de forma eficaz à epidemia".

Mais cedo, durante uma coletiva de imprensa em Pequim, o vice-ministro da Comissão Nacional da Saúde, Li Bin, ressaltou que o vírus, que é transmitido pelo trato respiratório, "pode sofrer mutações e se espalhar mais facilmente".

Depois de aparentemente ignorar a epidemia que surgiu no mês passado, os chineses pareciam estar cientes do risco nas principais cidades do país, onde muitos moradores usavam máscaras respiratórias.

Em uma farmácia de Pequim, uma funcionária explicava aos clientes que não tinha mais máscaras nem produtos desinfetantes para vender.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade