Publicidade

Correio Braziliense

Mais de 38.000 pessoas são deslocadas em cinco dias no noroeste da Síria

Deslocamentos no noroeste da Síria preocupam as Nações Unidas. Ataques aéreos e disparos de artilharia na região ocorrem diariamente na região


postado em 24/01/2020 13:17

A província de Idlib e algumas áreas das regiões vizinhas de Aleppo, Hama e Lataquia estão sob o domínio dos jihadistas da Hayat Tahrir al Sham (HTS), ex-facção síria da rede Al-Qaeda.(foto: JALAA MAREY / AFP)
A província de Idlib e algumas áreas das regiões vizinhas de Aleppo, Hama e Lataquia estão sob o domínio dos jihadistas da Hayat Tahrir al Sham (HTS), ex-facção síria da rede Al-Qaeda. (foto: JALAA MAREY / AFP)
Mais de 38.000 pessoas foram deslocadas em cinco dias no noroeste da Síria, em uma região atingida por ataques aéreos quase diários do regime e de seu aliado russo, segundo a ONU.

"Entre 15 e 19 de janeiro, mais de 38.000 pessoas deslocadas partiram, principalmente do oeste de Aleppo" para outros territórios da província ou setores de Idlib, informou em comunicado o Escritório das Nações Unidas para a Coordenação de Assuntos Humanitários (Ocha).

As Nações Unidas estão "profundamente preocupadas" com o aumento de deslocamentos no noroeste da Síria, "com informações quase diárias sobre ataques aéreos e disparos de artilharia na região", disse à AFP David Swanson, porta-voz do Ocha.

Nos últimos dias, a aviação russa e do regime concentraram seus ataques no oeste da província de Aleppo, onde há jihadistas e rebeldes, segundo o Observatório Sírio para os Direitos Humanos (OSDH).

Dezenas de civis morreram em Aleppo e Idlib, acrescentou. A Rússia nega todas as "missões de combate".

Desde o início de dezembro, 358.000 pessoas foram deslocadas no noroeste da Síria, principalmente mulheres e crianças, segundo a ONU.

O diretor da OSDH, Rami Abdel Rahman, considerou que a escalada poderia ser um prelúdio de uma ofensiva do regime, que busca assegurar a cidade de Aleppo, e a estrada que une a cidade à capital Damasco.

A província de Idlib e algumas áreas das regiões vizinhas de Aleppo, Hama e Lataquia estão sob o domínio dos jihadistas da Hayat Tahrir al Sham (HTS), ex-facção síria da rede Al-Qaeda. Outros grupos rebeldes também estão presentes.

A região de Idlib já foi palco de uma ofensiva em larga escala entre abril e agosto de 2019, que deixou cerca de mil civis mortos, segundo o OSDH.

O regime sírio, que agora controla mais de 70% do país, diz estar determinado a recuperar todo o setor.

O conflito na Síria, desencadeado em 2011, causou mais de 380.000 mortes e milhões de pessoas deslocadas. 

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade