Publicidade

Correio Braziliense

Coronavírus se propaga e países organizam retirada de estrangeiros da China

O presidente chinês, Xi Jinping, afirmou que seu país trava uma importante batalha contra o ''demônio'' do novo coronavírus


postado em 28/01/2020 09:48 / atualizado em 28/01/2020 09:49

O confinamento surpreendeu milhares de estrangeiros retidos na região(foto: Nicolas Asfouri / AFP)
O confinamento surpreendeu milhares de estrangeiros retidos na região (foto: Nicolas Asfouri / AFP)
Estados Unidos, França, Japão e outros países organizam a partir desta terça-feira 28/1, operações para retirar seus cidadãos de Wuhan, epicentro da epidemia de coronavírus que deixou até o momento 106 mortos na China e 4.500 infectados, ao mesmo tempo que foram registrados os primeiros casos de contágio fora do território chinês.

A Organização Mundial da Saúde (OMS) não recomenda, porém, a saída dos estrangeiros retidos em Wuhan, declarou nesta terça-feira seu diretor-geral, Tedros Adhanom Gebreyesus, durante visita a Pequim, informa um comunicado publicado pela diplomacia chinesa.

"Na situação atual, é preciso manter a calma. Não é necessário reagir com excesso", acrescentou o diretor-geral da OMS, segundo a nota.

O presidente chinês, Xi Jinping, afirmou que seu país trava uma importante batalha contra o "demônio" do novo coronavírus e pediu transparência nos esforços do governo para conter a epidemia.

"A epidemia é um demônio e não podemos deixar esse demônio escondido", afirmou Xi durante uma reunião com autoridades da OMS, segundo a imprensa estatal.

"O governo chinês sempre teve uma atitude aberta, transparente e responsável na hora de divulgar informação para os nossos cidadãos e para outros países", acrescentou.

Em Wuhan, cidade do centro da China onde o coronavírus foi detectado em dezembro, e quase toda a província de Hubei estão isoladas do mundo desde quinta-feira 23/1, por ordem das autoridades para tentar frear a epidemia. Quase 56 milhões de habitantes estão confinados. 

O confinamento surpreendeu milhares de estrangeiros retidos na região. Para retirá-los, Estados Unidos, França, Japão e outros países preparam operações de emergência. 

O governo japonês anunciou que enviará um avião nesta terça-feira a Wuhan para retirar 200 cidadãos do país e aproveitará a oportunidade para entregar "máscaras e trajes de proteção" às autoridades locais.

Médicos estarão a bordo, e as pessoas com sintomas como febre alta serão levadas diretamente para o hospital no desembarque. Quase 650 japoneses de Wuhan expressaram o desejo de retornar para seu país, e o governo planeja novos voos de repatriação.

Um voo para retirar funcionários do consulado dos Estados Unidos em Wuhan deve partir na manhã de quarta-feira (hora da China) com destino à Califórnia, anunciou o Departamento de Estado. Outros assentos serão oferecidos a cidadãos americanos "dependendo dos lugares disponíveis". 

A França enviará na quarta-feira um primeiro voo para repatriar no dia seguinte seus primeiros cidadãos de Wuhan. Uma lista de 500 pessoas já foi estabelecida pelo consulado local, mas o número pode chegar a 1.000, já Wuhan recebe muitos estudantes franceses, além das fábricas da Renault e PSA. 

As pessoas retiradas serão submetidas a um período de quarentena.

"Temos todos os meios, a confiança e os recursos para ganhar rapidamente a batalha contra a epidemia", afirmou o ministro chinês das Relações Exteriores, Wang Yi.

- Primeiros contágios fora da China -
O número de vítimas fatais aumentou para 106, e o de casos confirmados supera 4.500 na China, de acordo com o balanço oficial atualizado. A cidade de Pequim informou na segunda-feira a primeira morte provocada pelo coronavírus: um homem de 50 anos que retornara de Wuhan. 

Outros 50 pacientes foram registrados no restante do mundo, e mais de 10 países foram afetados pelo vírus - na Ásia, na Austrália, na Europa e na América do Norte.

A Alemanha, segundo país afetado na Europa, depois da França, informou na segunda-feira um primeiro caso de um cidadão que viajou a Wuhan e, nesta terça, o primeiro contágio entre humanos na Europa: um homem que teve contato com uma colega chinesa que visitou o país.

O Japão também anunciou que um caso de coronavírus em seu território, um homem de 60 anos, aconteceu com um paciente que não viajou à China, mas que transportou turistas de Wuhan em um ônibus.

A OMS ainda não se pronunciou após os contágios fora da China. 

A ameaça de propagação é considerável. O prefeito de Wuhan admite que cinco milhões de pessoas deixaram a cidade de 11 milhões de habitantes antes do Ano Novo chinês, celebrado em 25 de janeiro.

Bateria de medidas 

A propagação do vírus aumenta a ansiedade e a bateria de medidas de contenção. Muitos países reforçaram a precaução nas fronteiras. A Mongólia fechou a passagem terrestre com a China.

A Malásia proibiu a estada de pessoas procedentes de Hubei. Vários países recomendaram que seus cidadãos evitem viajar para esta província, mas a Alemanha ampliou o conselho para toda China. O governo dos Estados Unidos fez o mesmo.

As autoridades chinesas decidiram prolongar por três dias, até 2 de fevereiro, o feriado de Ano Novo (sete dias de recesso), para adiar as viagens de retorno para suas cidades de centenas de milhões de trabalhadores migrantes e reduzir o risco de propagação da epidemia.

Além disso, o início do semestre letivo nas escolas e universidades foi adiado por tempo indeterminado, informou o Ministério da Educação.

A Administração Nacional de Imigração também recomendou aos moradores da China continental que adiem os planos de viagem ao exterior "não necessárias". Hong Kong anunciou o fechamento de locais públicos, como estádios, museus e piscinas.

Wuhan parece uma cidade fantasma. Lojas permanecem fechadas e as autoridades proibiram a circulação de veículos não essenciais. 

Nos hospitais, a situação permanece caótica. A construção de dois hospitais, com 1.000 leitos cada, deve terminar na próxima semana.  

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade