Publicidade

Correio Braziliense

Ataque extremista deixa quase 40 mortos em Burkina Faso

Burkina Faso, que faz fronteira com Mali e Níger, está enfrentando ataques jihadistas, que mataram mais de 750 pessoas desde 2015


postado em 29/01/2020 09:00 / atualizado em 29/01/2020 09:12

Barsalogho é uma pequena cidade no norte de Burkina Faso que abriga 10.000 deslocados e refugiados que fogem da resultante violência jihadista e intercomunitária. Segundo as Nações Unidas, os ataques jihadistas no Mali, Níger e Burkina resultaram em 4.000 mortes em 2019.(foto: OLYMPIA DE MAISMONT / AFP)
Barsalogho é uma pequena cidade no norte de Burkina Faso que abriga 10.000 deslocados e refugiados que fogem da resultante violência jihadista e intercomunitária. Segundo as Nações Unidas, os ataques jihadistas no Mali, Níger e Burkina resultaram em 4.000 mortes em 2019. (foto: OLYMPIA DE MAISMONT / AFP)
O ataque jihadista do sábado em Silgadji, um povoado do norte de Burkina Faso onde homens foram separados das mulheres e executados, deixou pelo menos 39 mortos - anunciou o governo em um comunicado.

"As operações de rastreamento na zona das Forças de Defesa e de Segurança (FDS) permitiram determinar a morte de 39 dos nossos concidadão neste ataque covarde e bárbaro", indicou o ministro de Comunicação e porta-voz do governo, Remis Fulgance Dandjinou, em um comunicado.

No domingo, os habitantes de Silgadji que fugiam do massacre chegaram a Bourzanga (norte).

"Segundo os habitantes [de Silgadji], os terroristas cercaram a população no mercado popular e os separaram em dois grupos. Os homens foram executados e ordenaram as mulheres que deixassem o povoado", disse um morador de Bourzanga por telefone à AFP.

Desde 2015, cerca de 800 pessoas morreram em ataques extremistas em Burkina Faso, um país na fronteira com Mali e Níger.

Segundo a ONU, os ataques jihadistas em Mali, no Níger e em Burkina Faso deixaram 4.000 mortos em 2019 e provocaram uma crise humanitária sem precedentes. Entre deslocados e refugiados, são cerca de 600 mil pessoas fugindo da violência.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade