Mundo

Enfermeira alemã é suspeita de ter aplicado morfina em bebês

Os bebês tinham entre um dia e um mês de vida e teriam recebido a morfina em dezembro, na unidade de prematuros do centro médico

Agência France-Presse
postado em 31/01/2020 12:12
A profissional de saúde foi presa na cidade de Ulm, na parte sul da AlemanhaA Justiça alemã informou nesta quinta-feira (30/1) sobre a prisão de uma enfermeira que supostamente tentou envenenar bebês ao aplicar morfina neles. Eles tinham entre um dia e um mês de vida.

A profissional de saúde foi presa na cidade de Ulm, na parte sul do país. Segundo informações da polícia, os cinco recém-nascidos sobreviveram.

De acordo com o promotor Christof Lehr, a mulher foi presa por "tentativa de assassinato" e por feridas graves causadas às crianças.

No armário da enfermeira no Hospital de Ulm, a polícia encontrou uma seringa para conteúdo oral, que continha leite materno e restos de morfina. Os bebês haviam recebido as doses da substância em dezembro, quando estavam na ala de recém-nascidos do centro médico.

Posteriormente, as crianças apresentaram problemas respiratórios agudos, mas conseguiram ser salvas por intervenção imediata das equipes médicas, que garantiram que elas não terão sequelas.

Em um primeiro momento, o hospital cogitou que poderia se tratar de uma infecção, hipótese descartada por exames de urina, como relatou o policial Bernhard Weber, durante uma coletiva de imprensa. A análise mostrou, no entanto, que havia traços de morfina no organismo das crianças.

Segundo o Ministério Público, a enfermeira nega as acusações. Acredita-se que ela atuou de forma intencional.

Nos últimos anos, a Alemanha reportou vários escândalos envolvendo hospitais. Entre os principais casos, há o de Niels H;gel, um ex-enfermeiro que sofria de um "forte transtorno narcisista", segundo psiquiatras, e foi condenado à prisão perpétua em junho do último ano por matar cerca de 85 pacientes em dois hospitais no país.

Tags

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação