Publicidade

Correio Braziliense

Países repatriam cidadãos confinados em transatlântico por coronavírus

Um total de 355 casos foram registrados neste domingo no navio, 70 a mais do que na véspera


postado em 16/02/2020 14:23

(foto: Behrouz Mehri/AFP)
(foto: Behrouz Mehri/AFP)
Países preocupados com o aumento rápido dos casos de novo coronavírus a bordo do transatlântico "Diamond Princess", em quarentena perto de Yokohama, no Japão, decidiram neste fim de semana evacuar rapidamente seus cidadãos.

 

Um total de 355 casos foram registrados neste domingo no navio, 70 a mais do que na véspera. Mas nem todas as 3.711 pessoas a bordo foram submetidas aos testes que permitem estabelecer uma eventual infecção. "Até agora, examinamos 1.219 pessoas", declarou o ministro da Saúde japonês, Katsunobu Kato, à rede nipônica NHK.

 

O fim da quarentena dos passageiros do Diamond Princess está previsto para o dia 19, mas os acontecimentos recentes poderão alterar este calendário.

 

Vários governos não esperaram e, ante a gravidade crescente da situação e as dúvidas envolvendo a eficácia das medidas tomadas, decidiram retirar seus cidadãos que aparentam estar bem de saúde e submetê-los à quarentena em seus respectivos países.

 

A retirada de americanos que estavam no transatlântico teve início na madrugada desta segunda-feira, horário local. Ônibus com passageiros se afastavam do navio Diamond Princess, embora não tenham deixado o porto imediatamente, observou um jornalista da AFP.

 

A passageira americana Sarah Arana confirmou que estava em um ônibus e que aguardava para embarcar em um dos voos fretados que seguirão para os Estados Unidos. Segundo ela, os passageiros que deixaram o navio passaram pelo controle de passaporte, mas não foram submetidos a exames de saúde antes de embarcarem nos ônibus, que seguirão em caravana.

 

Dois voos fretados devem levar os passageiros do navio para os Estados Unidos, onde parte deles permanecerá em quarentena de 14 dias em uma base militar da Califórnia, e os demais, no Texas.

 

O governo local de Hong Kong quer repatriar seus cidadãos (350) "o quanto antes", e o Canadá deseja fazer o mesmo com os cerca de 250 canadenses a bordo.

 

O Diamond Princess realizava um cruzeiro com escalas na Ásia quando um passageiro que desembarcou em Hong Kong deu positivo para o novo coronavírus. Ao chegar à costa do Japão, o navio não recebeu autorização para atracar, e todos os passageiros foram colocados em quarentena. Os casos confirmados foram transferidos para hospitais japoneses especialmente equipados.

 

Além dos casos no navio, autoridades japonesas anunciaram que há 53 portadores do novo coronavírus em várias regiões do país. O principal foco de infecção fora da China é o transatlântico Diamond Princess. 

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade