Publicidade

Correio Braziliense

Iraquiano do EI é acusado na Alemanha por morte de menina yazidi

A esposa do acusado foi julgada pelo mesmo caso em abril do ano passado. A menina yazidi era explorada como escrava


postado em 21/02/2020 13:20

(foto: Maurenilson Freire/CB/D.A Press)
(foto: Maurenilson Freire/CB/D.A Press)
Um iraquiano membro do grupo Estado Islâmico (EI) foi indiciado na Alemanha, nesta sexta-feira (21/2), por ter deixado morrer "de maneira atroz" uma menina yazidi no Iraque, explorada por ele como escrava - anunciou o Ministério Público alemão.

Ele é acusado de assassinato, mas também de "genocídio, crimes contra a humanidade e crimes de guerra", afirmou o MP em um comunicado.

Apresentado como Taha A.-J., ele é o marido de Jennifer W., uma alemã, julgada desde abril de 2019 em Munique pelo mesmo caso.

Este julgamento foi descrito como o primeiro processo judicial no mundo a respeito do destino dos yazidis, uma minoria religiosa curda perseguida e escravizada pelos extremistas no Iraque, a partir de 2014.

Depois de ingressar no EI em março de 2013, Taha A.-J. "comprou uma mulher e sua filha de cinco anos entre um grupo de prisioneiros yazidis" para fazê-las escravas, de acordo com o MP.

Além de dar às duas acesso "insuficiente" à água e comida, o homem "proibiu-as de praticarem sua religião e as forçou à conversão ao Islã".

Preso na Grécia em maio de 2019 e detido na Alemanha desde outubro de 2019, o homem "amarrou a menina do lado de fora de uma janela" e a deixou morrer "de maneira atroz", "exposta ao calor de mais 50 graus".

"O acusado sabia que a morte da garota era possível e a aprovou", acrescentou o MP.

A fé yazidi é considerada "satânica" pelo EI, que lançou uma campanha de perseguição contra essa minoria na região iraquiana de Sinjar.

Agora refugiada na Alemanha, a mãe da menina é representada no julgamento de Jennifer W. pela advogada Amal Clooney e por Nadia Murad, ela própria uma yazidi que já foi feita de escrava sexual. Em 2018, Nadia obteve o Prêmio Nobel da Paz.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade