Publicidade

Correio Braziliense

Países fecham fronteiras para tentar conter o coronavírus

A Espanha, segundo país europeu mais afetado depois da Itália, anunciou nesta segunda-feira quase mil casos novos de coronavírus nas últimas 24 horas


postado em 16/03/2020 10:47 / atualizado em 16/03/2020 10:56

Cidadãos venezuelanos tentam entrar na Colômbia(foto: SCHNEYDER MENDOZA/AFP)
Cidadãos venezuelanos tentam entrar na Colômbia (foto: SCHNEYDER MENDOZA/AFP)
Paris, França - As Bolsas ao redor do planeta voltaram a registrar forte queda nesta segunda-feira (16/3), apesar das medidas anunciadas pelos bancos centrais para enfrentar a pandemia de coronavírus, cujo balanço de vítimas, principalmente na Europa, aumenta de maneira exponencial, o que levou diversos países a fechar suas fronteiras.

A Espanha, segundo país europeu mais afetado depois da Itália, anunciou nesta segunda-feira quase mil casos novos de coronavírus nas últimas 24 horas, com um total de 8.744 infectados, e 297 mortes, nove a mais que no domingo.

O país está em confinamento desde que o governo decretou estado de alerta e determinou sérias restrições de deslocamento aos habitantes por pelo menos 15 dias, em uma tentativa de conter a escalada de contágios.

Muitos países tentam aumentar a proteção com o fechamento das fronteiras, como a Alemanha, que a partir desta segunda-feira iniciou controles nos limites com cinco países (França, Áustria, Suíça, Dinamarca e Luxemburgo).

Considerada um símbolo, a Ponte da Europa, entre Estrasburgo (leste da França) e a localidade alemã de Kehl, marco da reconciliação no Velho Continente, virou uma área de fronteira estritamente controlada para tentar conter a crise do coronavírus e seus efeitos colaterais.

A polícia permite apenas a passagem dos caminhões com mercadorias e dos trabalhadores que são obrigados a atravessar as fronteiras. Rússia e República Tcheca também fecharam suas fronteiras.

Na América latina, o presidente venezuelano Nicolás Maduro anunciou que os moradores de sete estados, incluindo Caracas, permanecerão confinados em casa a partir desta segunda-feira.

A Argentina suspendeu as aulas e fechou as fronteiras até 31 de março, enquanto a Guatemala registrou a primeira morte. A Colômbia proibiu a entrada de estrangeiros e o Chile fechou todos os portos aos cruzeiros, depois de colocar em quarentena duas embarcações com quase 1.300 pessoas a bordo.

Outro navio, com 3.700 pessoas, está em quarentena na Nova Zelândia, que também proibiu todas as escalas de cruzeiros até 30 de junho.

Nos Estados Unidos, os novos controles para os americanos que voltam da Europa provocaram cenas de caos nos aeroportos. As cidades de Nova York e Los Angeles ordenaram o fechamento de bares, restaurantes e casas noturnas. Em Las Vegas, a MGM fechou 13 hotéis e cassinos.

Ação coordenada 


Na frente econômica, o Federal Reserve (Fed, banco central americano) reduziu drasticamente no domingo as taxas de juros a zero, como parte de uma ação mundial coordenada dos bancos centrais para facilitar a liquidez.

O Fed também anunciou a compra de 500 bilhões de dólares de títulos do Tesouro e de 200 bilhões de dólares de títulos hipotecários para apoiar os mercados. A iniciativa não serviu, no entanto, para tranquilizar os mercados e as Bolsas desabaram na abertura na Europa, após quedas expressivas na região Ásia-Pacífico (-9,7% em Sydney, recorde histórico). 

Os mercados temem uma recessão mundial da economia ante uma pandemia que parece controlada na Ásia, mas que se propaga em outros continentes.

A União Europeia (UE) anunciou nesta segunda-feira que espera uma recessão em 2020 de entre 2 e 2,5%, enquanto a China registrou o primeiro retrocesso na produção em quase 30 anos, além da queda das vendas no varejo.

A empresa líder mundial do turismo, a alemã TUI, suspendeu a maior parte de suas atividades e a IAG, grupo que possui as companhias aéreas British Airways e Iberia, entre outras, prevê uma redução dos voos de pelo menos 75% entre abril e maio.

Nesta segunda-feira (16/3), o número de mortes provocadas pelo novo coronavírus em todo o planeta alcançava 6.501, de acordo com um balanço da AFP com base em fontes oficiais.

G7 e UE se reúnem por videoconferência


Desde o início da epidemia foram registrados mais de 168.250 casos de contágio en 142 países ou territórios. A Europa se tornou o epicentro da pandemia, segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS)

Agora há mais falecimentos fora da China (3.221) que no país asiático (3.199), berço da epidemia, mas que conseguiu controlar o problema e registrou apenas 16 novos casos nesta segunda-feira, incluindo 12 procedentes do exterior.

A Itália, o país mais afetado na Europa pela pandemia, registrou no domingo um número recorde de 368 mortes em 24 horas, o que elevou o número de vítimas fatais a 1.809. 

O primeiro-ministro italiano, Giuseppe Conte, pediu uma "coordenação europeia" nas áreas de saúde e economia ante o coronavírus e afirmou que seu país ainda não atingiu o pico de infecções. "Chegou o momento de tomar decisões corajosas", afirmou em uma entrevista ao jornal Il Corriere della.

O presidente do Conselho Europeu, Charles Michel, anunciou uma videoconferência dos 27 governantes da UE na terça-feira para discutir as ações que devem ser adotadas ante as consequências humanas e econômicas do novo coronavírus.

Na França (127 mortos e 5.423 casos, com mais de 400 pessoas hospitalizadas em estado grave) a situação é "muito inquietante e se agrava rápido", disse nesta segunda-feira o diretor geral de Saúde, Jérôme Salomon. 

O governo determinou o fechamento de bares, restaurantes, lojas e centros de ensino, mas manteve as eleições municipais de domingo, que registraram um índice de participação historicamente baixo. O presidente Emmanuel Macron deve discursar à nação na segunda-feira à noite e anunciar novas medidas.

A Áustria (602 casos no sábado) proibiu as reuniões de mais de cinco pessoas e limitou os deslocamentos. Holanda e Luxemburgo também ordenaram o fechamento de estabelecimentos comerciais e locais públicos, enquanto a Irlanda fechou os pubs.

A Sérvia decretou estado de emergência por tempo indeterminado e vai mobilizar o exército para a luta contra a pandemia. Peru, Bolívia e Equador também adotaram restrições de deslocamento. A seis monarquias do Golfo, que suspenderam suas conexões aéreas, tem quase mil casos, principalmente no Catar. A primeira morte na região foi registrada no Bahrein.

O Irã, terceiro país mais afetado do mundo, anunciou 129 mortes em 24 horas (853 óbitos no total). As autoridades pediram aos habitantes que "cancelem todas as viagens e permaneçam em casa". O santuário xiita de Machhad foi fechado.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade