Mundo

Brescia, novo epicentro italiano do vírus, satura seu sistema de saúde

Localizada no coração da Lombardia, região italiana no sopé dos Alpes mais afetada pelo vírus, Brescia registrou na terça-feira o maior aumento no número de contaminações

Agência France-Presse
postado em 18/03/2020 12:43
Localizada no coração da Lombardia, região italiana no sopé dos Alpes mais afetada pelo vírus, Brescia registrou na terça-feira o maior aumento no número de contaminaçõesBréscia, Itália - Quando é preciso escolher entre os doentes... Na unidade de terapia intensiva de Brescia, uma cidade do norte da Itália atingida pela pandemia de coronavírus, a equipe médica está fazendo o possível para lidar com o afluxo de pacientes.

Localizada no coração da Lombardia, região italiana no sopé dos Alpes mais afetada pelo vírus, Brescia registrou na terça-feira o maior aumento no número de contaminações em 24 horas, 382, para 3.300 casos no total.

"Atualmente, nosso estabelecimento recebe 300 pacientes infectados com coronavírus, 51 deles em terapia intensiva", explica à AFP o diretor do hospital Poliambulanza, Alessandro Triboldi, enquanto médicos exaustos examinam seus pacientes. As macas são empurradas rápida e silenciosamente pelos corredores pelas enfermeiras cobertas da cabeça aos pés por seus equipamentos de proteção: apenas o pescoço e as orelhas são visíveis.

As máquinas emitem bipes de duas ou três notas, enquanto a equipe ajuda os pacientes recém-chegados, embrulhados em cobertores de sobrevivência, a passar das macas para as camas.Os mais doentes são intubados, o tratamento chega diretamente ao sangue através de gotejamento. O tronco e as pernas permanecem nus.

"Há pessoas que vêm direto de casa para a sala de emergência e já estão em estado grave", explica Giuseppe Natalini, chefe da unidade de terapia intensiva. "Eles não conseguem respirar, têm falta de ar e não têm oxigênio no sangue, e é por isso que devem ser tratados rapidamente".

Avaliar as chances


Na Itália, o coronavírus afetou primeiro a Lombardia, onde mais de 16.000 pessoas estão infectadas e 1.640 já morreram. Enquanto a cidade vizinha de Bergamo tem o maior número de casos, o vírus parece estar se espalhando mais rapidamente em Brescia.

A cidade está em alerta e todos são examinados na chegada ao Poliambulanza para medir a temperatura corporal. Leitos já arrumados bagunçam os corredores, prontos para receberem uma nova onda de pacientes.

O hospital recebe pessoas de todas as idades, mas "os idosos e aqueles que sofrem de patologias pré-existentes são os mais gravemente doentes". "Esses são os pacientes que podem morrer", observa Tony Sabatini, chefe do departamento de medicina geral.

Enquanto as ambulâncias chegam de forma contínua, o grande número de pacientes força os médicos a fazerem escolhas. "Às vezes é preciso avaliar as chances de sucesso à luz da condição do paciente", reconhece um médico de emergência, Paolo Terragnoli, antes de abaixar a cabeça. "Estamos tentando fazer o nosso melhor para todos, enquanto fazemos um pouco mais por aqueles que têm mais chances".

Fora das paredes imaculadas do hospital, o vírus continua sua progressão silenciosa e invisível em torno de Brescia. Uma casa de repouso nas proximidades de Quinzano anunciou nesta quarta-feira que 18 de seus moradores morreram desde o início da pandemia, incluindo cinco nas últimas 24 horas.

Tags

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação