Publicidade

Correio Braziliense

África do Sul vai prender quem divulgar fake news sobre coronavírus

O país africano tem 150 casos confirmados da Covid-19 e é um dos mais afetados na África Subsaariana


postado em 19/03/2020 19:30

Presidente sul-africano, Cyril Ramaphosa (foto: PHILL MAGAKOE/AFP)
Presidente sul-africano, Cyril Ramaphosa (foto: PHILL MAGAKOE/AFP)
Joanesburgo, África do Sul - Quem espalhar 'fake news' (notícia falsa) sobre o novo coronavírus na África do Sul pode ser condenado a até seis meses de prisão, de acordo com uma nova lei promulgada no país. 

O país africano tem 150 casos confirmados da Covid-19 e é um dos mais afetados na África Subsaariana, registrando um aumento de cerca de um terço no número de pessoas infectadas nas últimas horas. 

O presidente sul-africano, Cyril Ramaphosa, declarou estado de emergência nacional no domingo, fechou as escolas por três semanas e proibiu a entrada de cidadãos de países afetados pela doença. 

Além disso, uma série de leis foi publicada no Diário Oficial para tentar impedir a propagação da pandemia.

"Qualquer pessoa que publique declarações, em qualquer meio, incluindo mídias sociais, com a intenção de abusar de outras pessoas sobre a Covid-19 (...) será culpada de um crime e está sujeita a uma multa, uma penalidade de prisão de até seis meses ou ambos", segundo um dos textos.

O ministro da Saúde sul-africano, Zweli Mkhize, repetiu nesta quinta-feira que a pandemia está se espalhando rapidamente no país. 

Até quinta-feira, 210.000 casos e quase 10.000 mortes foram registradas em todo o mundo, quase metade delas na Itália, que ultrapassou a China no número de vítimas fatais. Até o momento, não há registro de  vítimas fatais na África do Sul.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade