Mundo

...e esperança alemã

Correio Braziliense
Correio Braziliense
postado em 26/03/2020 04:16
Em Berlim, moradoras usam máscaras cirúrgicas: isolamento e testagem em massa desaceleram o contágio


Berlim ; Os números de casos de coronavírus na Alemanha aumentam a cada dia. Mesmo assim, a nação mais populosa da União Europeia tem sido referência na administração da doença, pelo fato de a quantidade de mortes não crescer na mesma velocidade que em outros países, incluindo vizinhos como a Itália e a Espanha. Isso apesar de a chanceler Angela Merkel não ter estabelecido um toque de recolher, como fizeram outros povos, incluindo vários com menos casos da Covid-19. Na terça-feira, o Instituto Robert-Koch registrou 27.463 infectados na Alemanha, 4.764 a mais que no dia anterior.
A cada 100 mil cidadãos alemães, 33 têm a doença. O total de mortes está em 114. De acordo com o instituto, a média de idade dos infectados é de 45 anos, e a dos que morreram, de 82 anos. Em entrevista transmitida pela internet na segunda-feira, o presidente do Instituto Robert-Koch, Lothar Wieler, respondeu a perguntas de jornalistas enviadas eletronicamente. Um ponto positivo da gestão alemã é que as autoridades consultam constantemente especialistas de saúde de instituições públicas como representada por Wieler, deixando-se influenciar pelas recomendações. Há semanas, ele e representantes do governo alemão batem na tecla de que o vírus continuará a se espalhar e que a melhor estratégia é retardar o avanço.
;A epidemia continua a avançar em todo o mundo. Na Alemanha, como esperado, cresce o número de casos;, comentou. ;Ainda é cedo para ver resultados concretos, mas percebemos uma tendência de que a curva de crescimento da doença começa a se achatar. Estou otimista de que as medidas tomadas comecem a fazer efeito.; O governo alemão tem endurecido gradativamente a maneira de lidar com a doença. Nesta semana, começou a valer a proibição para reunião com mais de duas pessoas. Todos os restaurantes foram fechados, exceto para entregas. Foi proibido o funcionamento de comércios não essenciais. Apesar disso, os moradores podem sair de casa para fazer esportes, tomar ar, trabalhar e fazer compras de supermercado.
Na avaliação de Wieler, as medidas são importantes, mas é preciso tomar outras para aumentar o distanciamento social. ;A mobilidade na Alemanha reduziu, mas não o suficiente;, aponta. A taxa de mortalidade do novo coronavírus no país, em comparação com o número de casos, é inferior à do Brasil. Para alcançar esse resultado, Lothar Wieler destacou a importância de identificar o maior número de doentes o mais cedo possível para isolá-los, além de testar as pessoas que tiveram contato com eles e colocá-las em quarentena. ;Temos, na Alemanha, uma grande capacidade de testes, e ela está sendo continuamente aumentada;, informou Wieler. As unidades de saúde conseguem realizar 160 mil exames por semana.

Brasileiro

O arquiteto brasileiro Danilo de Lima Guimarães, 32 anos, mora na Alemanha há sete anos, e diz confiar no sistema de saúde. Ele não precisou mudar tanto a rotina, pois passa a maior parte do dia em casa, escrevendo a tese de doutorado pela Universidade de Siegen, onde estuda. No entanto, reduziu idas ao mercado e cancelou encontros com amigos. Danilo vive em Colônia, a cidade mais populosa da Renânia do Norte-Vestfália, que, com 6.318 casos de Covid-19, é o estado com mais infectados. ;As esferas estadual e municipal esperaram as primeiras medidas do governo federal para divulgarem planos de ações. Hoje, existem medidas severas sendo tomadas.;

*A jornalista é bolsista do Internationale Journalisten-Programme (IJP)
; Três passos da excelência
Tripé da estratégia recomendada pelo Instituto Robert-Koch e aplicada na Alemanha:

; Retardar a epidemia o máximo possível e reduzir os casos ao longo do tempo;

; Proteger os grupos de risco, incluindo idosos e pacientes com doenças crônicas ou preexistentes;

; Aumentar a capacidade das estruturas de saúde, especialmente consultórios e leitos de UTI. Mesmo o país tendo uma das maiores capacidades nesse sentido (são oito leitos para cada 1.000 habitantes, 1.900 hospitais e 28 mil leitos de UTI), trabalha continuamente por sua expansão.

Tags

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação