Mundo

Identificados anticorpos com ação eficaz

Duas moléculas presentes no sangue de pessoas que foram curadas da Covid-19 conseguem impedir que o Sars-Cov-2 infecte as células. Resultados laboratoriais animam pesquisadores chineses, que planejam iniciar testes com humanos em seis meses

postado em 02/04/2020 04:05
Pesquisa começou com a análise de 206 anticorpos: a equipe identificou dois após estudar quase 10% da amostra


Cientistas da China detectaram mais uma abordagem com potencial de combater o vírus causador da Covid-19. Os investigadores observaram, em laboratório, uma resposta extremamente eficaz de alguns anticorpos contra o Sars-Cov-2. O plano da equipe é testar ;o mais rápido possível; as moléculas em animais e, logo em seguida, em humanos.

Iniciado em janeiro, o estudo é conduzido por cientistas da Universidade Tsinghua, em Pequim, que contaram com a ajuda de especialistas do Terceiro Hospital Popular em Shenzhen, também na China. O grupo analisou anticorpos coletados de amostras sanguíneas de oito pessoas infectadas pelo vírus da Covid-19 e que foram curadas da doença. A partir do material, a equipe isolou 206 anticorpos monoclonais devido à forte capacidade de se ligar ao novo coronavírus e a suas proteínas.

Em seguida, foram realizados novos testes para detectar se os anticorpos realmente podiam impedir que o vírus entrasse nas células humanas. Entre os primeiros 20 anticorpos testados, quatro conseguiram bloquear a entrada viral. Desses, dois são considerados ;extremamente bons; na função, segundo os pesquisadores.

Os anticorpos promissores interrompem uma ação essencial para que o vírus infecte células. ;Eles impedem a interação entre o receptor-binding domain (RBD viral) e o receptor celular ACE2, interferindo, assim, na entrada viral;, explicaram os cientistas em artigo publicado na plataforma on-line bioRxiv.

Ação conjunta

A equipe, agora, está focada em identificar os anticorpos mais poderosos entre os 206 separados e, possivelmente, combiná-los para potencializar suas forças no combate ao novo coronavírus. Se os resultados forem positivos, a equipe acredita que outros especialistas poderão produzir essas moléculas, aumentando o material a ser usado em novas pesquisas científicas.

Líder do estudo e pesquisador da Universidade de Tsinghu, Linqi Zhang estima que os anticorpos serão testados em humanos em seis meses. Segundo ele, as expectativas da equipe são grandes. ;A especificidade e as características dos anticorpos detectadas nessa investigação requerem uma análise mais aprofundada. No entanto, os diversos e potentes anticorpos neutralizantes identificados são candidatos promissores para intervenções profiláticas e terapêuticas em Sars-Cov-2;, frisou.

O pesquisador enfatiza ainda que anticorpos não são uma vacina, mas são uma grande aposta da ciência contra complicações. ;A importância dos anticorpos já foi comprovada no mundo da medicina há décadas. Eles podem ser usados para tratar câncer, doenças autoimunes e infecciosas;, ilustrou. Segundo Linqi Zhang, as moléculas poderiam ser dadas a pessoas mais vulneráveis à infecção pelo novo coronavírus. ;Normalmente, leva cerca de dois anos para que um medicamento chegue perto da aprovação para uso em pacientes, mas, com a pandemia da Covid-19, as coisas estão se movendo mais rapidamente;, justificou.

Outros especialistas pedem mais cautela com esse tipo de abordagem. ;Há várias etapas que, agora, precisam ser seguidas antes que os anticorpos possam ser usados como tratamento para pacientes com coronavírus;, destacou, em comunicado, Ben Cowling, especialista em doenças infecciosas da Universidade de Hong Kong. ;Mas é realmente emocionante encontrar esses tratamentos em potencial e ter a chance de testá-los. Se conseguirmos encontrar mais candidatos, teremos um tratamento melhor.;


"É realmente emocionante encontrar esses tratamentos em potencial e ter a chance de testá-los.
Se conseguirmos encontrar mais candidatos, teremos um tratamento melhor;

Ben Cowling, especialista em doenças infecciosas da Universidade de Hong Kong

Tags

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação