Mundo

Ex-presidente hondurenho envolvido no Fifagate falece aos 76 anos nos EUA

Ele faleceu de parada cardíaca em um hospital de Atlanta, informou a família

Agência France-Presse
postado em 04/04/2020 19:18
Ele faleceu de parada cardíaca em um hospital de Atlanta, informou a famíliaTegucigalpa, Honduras - O conservador ex-presidente de Honduras Rafael Callejas (1990-1994), que aguardava sentença nos Estados Unidos por envolvimento no escândalo de corrupção na Fifa, faleceu neste sábado (4) aos 76 anos de parada cardíaca em um hospital de Atlanta, informou a família.

"É com profunda dor que informamos que nosso amado marido, pai e avô voou até os braços do senhor", publicou Norma Gaborit de Callejas, esposa do ex-mandatário.

Callejas, formado em economia agrícola na Universidade de Mississipi e que governou no início da década de 1990, implementou um modelo neoliberal, uma política de diminuição do aparato estatal e privatização dos serviços públicos em Honduras.

No governo seguinte, do presidente Carlos Roberto Reina, Callejas foi acusado de corrupção, mas acabou absolvido pelo tribunais após anos de batalhas jurídicas.

[SAIBAMAIS]Contudo, em 2015 Callejas foi acusado pela promotoria de Nova Jersey de receber subornos para negociar contratos com uma empresa de marketing com sede na Flórida pelos direitos de transmissão dos jogos da seleção de Honduras durante seu mandato na presidência da federação de futebol de seu país, cargo que exerceu por 13 anos.

O tribunal havia convocado Callejas para o dia 5 de maio para anunciar uma sentença, após vários atrasos devido a intervenções cirúrgicas para tratar uma leucemia.

Durante a gestão de Callejas, a seleção de Honduras voltou a disputar a Copa do Mundo na África do Sul-2010 e no Brasil-2014, um feito que havia realizado apenas uma vez na história, na Espanha-1982.

Na presidência da federação de futebol de Honduras, Callejas foi substituído pelo advogado Alfeo Hawit, que também está preso em Nova York por sua participação no escândalo de corrupção da Fifa.

Tags

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação