Mundo

Terapia para evitar a hospitalização

postado em 15/05/2020 04:15
Enfermeiro afere a temperatura de homem suspeito de  estar com covid-19: atenção aos pacientes leves

Pesquisadores da Universidade de Stanford, nos Estados Unidos, iniciaram um estudo com seres humanos para saber se um medicamento semelhante ao usado no tratamento da hepatite C poderá beneficiar pacientes de covid-19. A ideia é testar o inteferon lambda, um modulador do sistema imunológico, para evitar que pessoas que acabaram de testar positivo sejam hospitalizadas e se recuperem mais rapidamente.

O interferon lambda orquestra as defesas naturais do corpo contra infecções, convocando as células do sistema imunológico para atacar invasores como vírus. Uma substância bastante parecida, o interferon-alfa, tem sido utilizada no tratamento de hepatite C e outras infecções virais, assim como o câncer. No caso do lambda, os receptores do medicamento no organismo ficam nos pulmões, no intestino e no fígado ; os dois primeiros órgãos são os principais alvos de ataque do Sars-CoV-2.

Resultados de testes em laboratório e em animais sugerem que o interferon lambda possa ser útil no controle de vírus que causam doenças respiratórias como influenza e Sars, além de outras infecções virais comuns. ;Seu perfil de segurança parece ser excelente;, diz a pesquisadora principal, Prasanna Jagannathan professora da Faculdade de Medicina de Stanford.

Segurança

A médica explica que o remdesivir, aprovado recentemente para uso emergencial no tratamento de covid-19 nos EUA, é restrito a pessoas hospitalizadas. ;No entanto, a grande maioria dos pacientes com covid-19 é ambulatorial. Para eles, nenhum medicamento foi comprovado como seguro e eficaz;, afirma.

A médica ressalta que, embora esses pacientes possam não precisar de hospitalização, a infecção pela covid-19 resulta em sintomas respiratórios e perda de produtividade. ;Além disso ; e isso é importante ;, pacientes com doenças leves contribuem para a transmissão comunitária. Limitar a carga viral desse grupo reduziria a transmissão a familiares e outros, o que é crucial para controlar a propagação de doenças epidêmicas;, afirma.

Os cientistas acabaram de recrutar 120 pacientes diagnosticados com casos leves de covid-19. Divididos aleatoriamente em dois grupos, eles receberão injeções únicas subcutâneas de um placebo ou do interferon-lambda. Em seguida, serão monitorados por 28 dias para verificar sintomas, gravidade da doença, taxas de hospitalização e carga viral.(PO)

Tags

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação