Mundo

Tragédia no Mediterrâneo

postado em 16/05/2020 04:14
Membros da ONG espanhola Maydayterraneo socorrem migrantes, em fevereiro passado: bloqueio em alto-mar

O Mar Mediterrâneo enfrenta uma ;tragédia; sem testemunhas, enquanto os olhos do planeta se voltam para a pandemia do novo coronavírus. Um número cada vez maior de migrantes tentam, em vão, entrar numa Europa que fechou os seus portos e não tem navios humanitários para operações de resgate. O alerta partiu de entidades internacionais e organizações não governamentais.

Quando a Europa se transformou no foco global da pandemia, somente dois navios de resgate continuaram suas operações, mesmo depois que a Itália e Malta fecharam os portos devido ao coronavírus no começo de abril: o ;Alan Kurdi;, da ONG alemã Sea-Eye; e o ;Aita Mari;, fretado por uma ONG basca.

Nas últimas semanas, houve poucos desembarques de migrantes, como alguns dias atrás, quando 79 pessoas atracaram na Itália, onde a questão migratória é delicada. Na vizinha Malta, o primeiro-ministro Robert Abela está sob investigação depois da morte de migrantes no mar. O Exército e as autoridades são acusados de não os terem ajudado. Desde a semana passada, no entanto, todas as operações de resgate foram interrompidas.

A Guarda Costeira italiana imobilizou O ;Alan Kurdi; e o ;Aita Mari; devido a problemas ;técnicos;. As ONGs denunciam uma manobra injustificada para ;interromper suas missões de primeiros socorros;. ;Se não houver resgate no mar e os países enrolarem para socorrer e desembarcar as pessoas, acabaremos com situações humanitárias bastante sérias;, lamentou Vincent Cochetel, enviado especial para o Mediterrâneo central da Agência da ONU para Refugiados (Acnur), a qual estima que o número de mortes na região desde janeiro seja de 179.

Uma situação particularmente delicada, ante um aumento de 290% em partidas da costa da Líbia ; ou seja, 6.629 tentativas entre janeiro e o fim de abril, em comparação com mesmo período do ano passado ; e de 156% da Tunísia. ;A existência ou não de navios no mar não influencia de maneira alguma as partidas; este período de coronavírus demonstrou isso para nós;, apontou Cochetel. ;Cerca de 75% dos migrantes na Líbia perderam o emprego desde as medidas de confinamento, o que pode causar desespero;, acrescentou.

Duas imobilizações de navios, ;uma depois da outra, levantam questões sobre o porquê;, denunciou Sophie Beau, diretora-geral da SOS Mediterranean, uma ONG francesa que fretou o ;Ocean Viking;, um navio humanitário que, segundo ela, retornará ao mar ;o mais rápido possível;, apesar da ;criminalização; das ONGs.

;É realmente dramático (...) e contradiz o direito marítimo internacional que insta o socorro a qualquer pessoa em perigo o mais rápido possível. Agora, como não há testemunhas, não sabemos a extensão da possível tragédia que está ocorrendo no Mediterrâneo;, protestou.

;Naufrágios invisíveis;

O Mediterrâneo central ;segue como a rota de migração marítima mais perigosa do mundo e, no contexto atual, o risco de naufrágios invisíveis aumentou aos olhos da comunidade internacional;, alertou a Organização Internacional para as Migrações (OIM). ;O período é muito complexo. Acumulamos dificuldades;, diz Beau. ;Gestão da epidemia, fechamento de portos e fronteiras... E além dessas limitações, a falta de um mecanismo coordenado;, resumiu, referindo-se ao acordo entre os países europeus de distribuir migrantes depois do desembarque, esboçado no fim de 2019, em Malta.

Em carta à Comissão Europeia, os ministros do Interior da França, Itália, Espanha e Alemanha pedem um ;mecanismo de solidariedade; para ;busca e salvamento; no mar. Segundo eles, ;um punhado de Estados-membros carrega um fardo excessivo, o que ameaça causar disfunção em todo o sistema;. Na pendência de um hipotético acordo europeu, e na ausência de navios humanitários, 162 migrantes estão atualmente bloqueados no mar em dois barcos turísticos.

Tags

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação